Faça o seu comentário

:

:







Comentários

joao carlos holland de barcellos em 12 de agosto de 2016 às 08:43:49»
O Paradoxo das Gemeas
Por : Jocax

- Numa base espacial duas 'gemeas' saem numa nave: uma para esquerda e outra para a direita.
(Com a mesma velocidade absoluta v )

- Na saida , ambas inicialmente paradas, a nave de ambas aceleram por 1 nano-segundo,
e a partir dai, prosseguem em velocidade constante (MRU = Movimento Retilínio Uniforme).

- Cada 'gemea' observa sua irma envelhecer mais lentamente, pois ambas estao em MRU ( movimento retilínio uniforme ) e portanto,
durante o MRU, suas naves podem ser consideradas Referenciais Inerciais.

- Depois de viajarem por um longo tempo T ( medido da base ) elas sofrem uma nova aceleracao, por 1 nano-segundo ( medido da base),
em sentido contrario, em MRU, para voltarem para a base.

- levam novamente outro tempo T para percorrer a distancia de volta , e ambas continuam vendo suas irmas envelhecerem mais lentamente.

- Finalmente depois do tempo T elas sofrem uma desaceleracao por 1 nano-segundo e param na Base.

- O tempo total de aceleracao foi de 3 nano-segundos, mas as gemeas ficaram com seus relogios sendo atrasados
uma em relacao a outra por um periodo T (que pode ser de milhares de anos!).

- Quando elas se encontram cada uma deveria descontar o tempo de aceleracao mas o atraso T eh muito maior que o tempo de aceleracao
pois T pode ser vaariável e o tempo de aceleracao eh constante e tão pequeno quanto se queira!

- Portanto temos um paradoxo: As gemeas, quando se encontram, deveriam ver seus relogios marcando tempos diferentes !
Mas a situacao eh simetrica!

- Temos um paradoxo !
====================
Uma outra forma de perceber o paradoxo das gemeas é o seguinte:

Duas naves, A e B vem em direcao a uma base ou planeta, em sentido contrario , como se fossem se chocar com a base.
As naves estao à mesma distancia da base e com a mesma velocodade absoluta.

Quando passam pela base , quase se chocando, , dois relogios sincronizados sao
jogados pela janela da base que caem numa almofada dentro da nave sem se quebrarem.

Tanto a nave A como a nave B estao em MRU ( movimento retilineo uniforme ) e por isso podem ser
consideradas referenciais INERCIAIS.

A nave A mede o relogio da nave B andar mais devagar e vice versa.
Passam-se centenas de anos e o atraso do relogio , uma em relacao vai se tornando bastante significativo.

Finalmente , depois de centenas ou milhares de anos, ambas as naves sofrem uma brusca parada e, em 1 nanosegundo,
pelo tempo da base , ambas estao em repouso em relacao a base e em relação a elas proprias.
Pergunta qual dos dois relogios teve seu tempo de fato atrasado em relacao à outra?
Este é o paradoxo das gemeas.
joao carlos holland de barcellos em 08 de janeiro de 2016 às 10:42:35»
Paradoxo das Gemeas
Por : Jocax

- Numa base espacial duas gemeas saem numa nave uma para esquerda e outra para a direita.
(Com a mesma velocidade absoluta v )

- Na saida , ambas inicialmente paradas, a nave de ambas aceleram por 1 segundo,
e a partir dai, prosseguem em velocidade constante.

- Cada gemea ve sua irma envelhecer mais lentamente, pois ambas
estao em MRU ( movimento retilínio uniforme ) e portanto, durante o MRU, suas naves podem ser consideradas Referenciais Inerciais.

- Depois de viajarem por um longo tempo T ( medido da base ) elas sofrem uma nova aceleracao, POR 1 SEGUNDO ( medido da base)
em sentido contrario para voltarem para a base.

- levam novamente outro tempo T para percorrer a distancia de volta , e ambas continuam vendo suas irmas envelhecerem mais lentamente.

- Finalmente depois do tempo T elas sofrem uma desaceleracao por 1 segundo e param na Base.

- O tempo total de aceleracao foi de 3 segundos (medidos da base )
mas as gemeas ficaram com seus relogios sendo atrasados uma em relacao aa outra por um periodo T (que pode ser de milhares de anos).

- Quando elas se encontram cada uma deveria descontar o tempo de aceleracao mas o atraso T eh muito maior que o tempo de aceleracao
POIS PODE SER VARIAVEL e o tempo de aceleracao eh constante !

- Portanto temos um paradoxo: As gemeas deveriam ver seus relogios marcando tempos diferentes ! Mas a situacao eh simetrica !

- Temos um paradoxo !
gadarf em 18 de abril de 2010 às 15:25:57»
Faltou a resolução.
avatar
Brunin em 25 de dezembro de 2009 às 11:01:54»
Vixxx....nem lí esse....só o texto acima são umas 36 linhas + os comentarios do minimo de 10 linhas....desanimou...rsrs
Mauro César em 29 de setembro de 2009 às 13:28:55»
Acho que esses cientistas devem deixar esses misterios do universo pra Deus. Só Ele sabe dessas coisas, e o homem deve ter a humildade pra saber que ele não é capaz de entender o universo e seu Criador
Carlos Junqueira em 04 de abril de 2007 às 13:25:40»
Os doutores PhD.Abravaneto de Assis e Phd.Hermenegildo Gonçalves da Rosa, ambos professores titulares da Faculdade de Pesquisas Espaiciais e Astro-Físicas da USP, convergem seus discursos com grande propriedade para a inobservância da explicação do senhor Subhash Kak quanto à fragmentação espaço-temporal na relação direta e não necessariamente constante entre os referenciais de tempo a serem utilizados pelos gêmeos. Uma vez atribuída a composição assimétrica da linearidade erroneamente presumida dos relógios desses irmãos, a inflexibilidade do conjunto de para-propedializações (criticadas superficialmente, mas nem por isso de forma menos genial, por Leibnitz e por Heitzemberger em suas respectivas épocas) não pode ser desconsiderada, em virtude da multiplicidade infinita dos resultados possíveis de serem obtidos através da mensuração periódica e "ad finitum" por um observador hipoteticamente eterno e não passível de morte biológica. Lembram muito bem os referidos professores que o espaço concreto muito longe está de ser percebido de forma unívoca na ciência pós-moderna. Os laços axiológicos e paradigmáticos da propedêutica catedrática tradicional ainda esbarra em resistências teóricas em considerar os planos teórico-explicativos oferecidos pela Teoria Quântica (em suas correntes de vanguarda, e não nas suas adesões meramente modistas e menos factíveis de verossimilhança e contemplação crítico-epistemológica). Fica claríssimo, como excelentemente expuseram os doutores Abravaneto e Hermenegildo, quie o paradoxo dos gêmeos representa mais do que apenas um "quebra-cabeça pós big-bang", senão umas das trilhas que podem revelar possíveis pontos de apoio mais concretamente passíveis de validação na comunnidade científica. Creio que os novos desafios da Física de nosso tempo recupera grandes questões universais que a humanidade, de forma ora filosófico-religiosa, ora crítico-reflexiva, costuma pensar ao longo de seus milhares de anos.
Hermenegildo Gonçalves da Rosa em 27 de março de 2007 às 15:25:29»
O amigo Abravaneto tem razão na medida em que é matematicamente concebível a percepção dos movimentos aleatórios e ocasionais, segundo a divisão eqüidistante de pontos virtualmente setentrionais entre um espaço não retilínio e não próximo a um buraco negro. A chave do problema está em como os gêmeos podem viver tempos diferentes sem que haja uma compensação retro-temporal no abismo performático que separa a matéria - concebida enquanto um potencial de gravidade diferente de zero - do vazio absoluto ainda que hipotético num plano amostral não definido e caótico em sua natureza. O espaço pensado não corresponde ao espaço concreto, portanto, o paradoxo dos gêmeos invarialvelmente esbarrará no desnível teórico entre o sujeito e o objeto tomados em si como numa relação unívoca, tridimensional e factível da insuperabilidade matemática dos fatores que satisfazem as condições "hiper-simulacras", como bem já disse Leibnitz. O senhor Subhash Kak precisará tomar mais cautela ao expor uma nova explicação, tendo em vista que a apresentada por ele carece de alguns pressupostos fundamentais da razoabilidade referencial einteiniana. De fato, o erro de Kak beira à puerilidade de tão simples e óbvia sua inconsistência explicativa.
felipe em 08 de março de 2007 às 17:12:38»
não, ele so uso um ponto distante pra calcular a velocidade relativa dos dois corpos.
Abravaneto de Assis em 07 de março de 2007 às 13:48:18»
Há escancaradamente um erro fundamental na explicação proposta por Subhash Kak para o Paradoxo dos Gêmeos: a linearidade não cruzada das velocidades potencialmente assimétricas (numa escala não definida, resultante da convergibilidade inexorável das probabilidades calculadas sob formas hipotéticas de razoabilidade referencial apontadas por Einstein), implica que os irmãos A e B, no campo de suas velocidades tridimensionalmente e necessariamente identificadas na multiplicidade de resultados possíveis dadas sua interação recíproca, jamais estarão analogamente subseqüíveis com o decorrer do tempo mensurado em seus parâmetros tradicionais não-newtonianos e não-quânticos. Não entendo como algo tão óbvio assim tenha passado pelo crivo de nossa Física pós-moderna.
koinho em 06 de março de 2007 às 10:52:47»
O Eisntein viajou com o gêmeo na velocidade da luz ao ter essa idéia, desde quando um objeto movido rápidamente mudaria o tempo??? Nunca, o tempo eh igual à todos e ponto!
Jozy em 05 de março de 2007 às 22:04:54»
que coisa doida rolleyes
Marco Aurélio em 05 de março de 2007 às 16:29:15»
Interessante!
Mas preciso saber mais, esse texto está muito reduzido...
De acordo com a Teoria da relatividade Especial, a alteração da velocidade chegando proximo a "c" pode causar sim esse efeito de alteração nas propriedades do tempo, como nós o conhecemos, através da cronologia, mas o tempo não é algo para ser medido com propriedades escalares, como estamos acostumados, e sim com propriedades vetoriais. uma explicação aceitável é muito simples.
Nosso planeta só gira em torno do sol, pois esse causa uma deformidade no espaço-tempo. criando uma "depressão" em sua superficie
VALBER em 02 de março de 2007 às 19:10:55»
muito complecad
CriticoBr em 02 de março de 2007 às 01:01:38»
Para toda problematica existe a solucionatica!!
avatar
binho em 01 de março de 2007 às 22:27:48»
um espelho , quando não tem nínguem olhando , reflete imagens ?
ivan4an em 01 de março de 2007 às 12:43:00»
Pode até ser mesmo, mas quem garante que "o universo tem as mesmas propriedades gerais, sem importar onde algo ou alguém possa estar"?
DEDE em 01 de março de 2007 às 10:41:29»
Penso assim:

Entendo que o atual "status quo" vem da mecanica quantica, que reza que é impossivel identificar (medir), ao mesmo tempo, velocidade e posicao de um eletron. Com isso temos que passado, presente e futuro sao indeterminados(pelo menos dos eletrons).
Ca entre nos, tenho minhas duvidas. Nao entendo de mecanica quantica, mas acho que é questao de tempo (20 mil, 30 mil anos)existir um aparato que
permita determinar com precisao a posicao/velocidade do eletron.
Nao consigo engolir aquela historia do gato morto dentro da caixa.
Parece que tem um matematico famoso por ai (Penrose) que esta querendo acabar com essa festa da mecanica quantica.
Quanto a mente poderosa simulando o futuro com precisao absoluta (Deus),talvez tambem pudesse ser um programa poderoso (estilo Matrix). Eu acho que da para chegar la (nos proximos ... sei la, ... 20 mil anos): Indeterminismo
= 0 (a ilusao do livre arbitrio).
É interessante ver que aparentemente parece possivel prever os macro
acontecimentos, mas nao os micro-detalhes.
Posso nao saber que movimentos vou fazer amanha, mas sei que um dia vou morrer ...
Posso nao saber em que momento alguem vai fazer o gol, mas sei que o Brasil
vai ganhar da Alemanha na proxima copa ...
Posso nao saber onde esta o eletron, mas sei onde esta o atomo ...
E acho que é por ai que os futurologos afundam ... eles estao longe, mas muito longe mesmo, dos detalhes.
Quanto a Mente: (atualmente) Eu acho que mente é a parte do cerebro que conseguimos "ver". E essa "visualizacao" se da atraves da psi. Acho que o primeiro lugar que vamos encontrar psi "de monte", sera dentro do proprio
cerebro (de orgao para orgao). (adaptado)
Abraços Fraternos DEDE razz razz razz
Vitor em 01 de março de 2007 às 10:23:53»
Dor de cabeça...
avatar
binho em 28 de fevereiro de 2007 às 23:03:30»
se tivessem perguntado para A repórter da Record , aqui de São Paulo , ela teria a resposta , pois mesma , fazendo uma reportagem sobre ultrassonografia disse que as imagens eram em 4 dimensões...só ela e Einstein sabem com..
quanto à teoria , minha ingnorancia não me permite entender .Só pela fórmula que vi no link ,doeu...(desculpe ,sem comentários)
Empresário em 28 de fevereiro de 2007 às 21:23:28»
A resposta é SIMPLES
LOLzinho da Silva em 28 de fevereiro de 2007 às 17:27:38»
ahhhhhhhh
pod falar ning entendeu pq ning leu
nem eu
MarcioZim em 28 de fevereiro de 2007 às 17:23:07»
Muito interessante....
Eu já havia viajado em assuntos relativos à este...

Tipo... De certa forma, isto seria voltar no tempo ou então reter o tempo e envelhecer mais devagar...

É um assunto polêmico... Certa vez tentei explicar isto para alguns colegas da vizinhança....mas a ignorância alheia não me permitiu!
JaQuE em 28 de fevereiro de 2007 às 16:13:36»
opsssss!!!
gentes eu naum sou loura heim!!!

sou morena!
mais mesmo assim naum entendi!
bjkas
JaQuE em 28 de fevereiro de 2007 às 16:11:40»
legal....
mais axo que naum entendi muito naum!
mais blz!

bjkas povulssssss
jovas em 28 de fevereiro de 2007 às 15:21:39»
se o tempo é relativo a vodka eh absolute!
marcinlegal em 28 de fevereiro de 2007 às 15:09:23»
Pq não me perguntaram antes, eu ja sei disso há muito tempo....
enoque em 28 de fevereiro de 2007 às 13:11:54»
entendi.....
acm2006 em 28 de fevereiro de 2007 às 12:27:38»
Como é que é ? rolleyes
renato em 28 de fevereiro de 2007 às 12:18:18»
primeirão de novo,eu sou um geniooooooooooo.......hehehehe biggrin