Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Página 1 de 2 (81 comentários)
« Ant. | Primeira | 1 | 2 | | Última | Prox. »

sura em 04 de novembro de 2013 às 14:04:18»
humanitário. não vejo nada de covarde.
Regia Leila em 30 de outubro de 2013 às 14:23:13»
o problema de uma guerra é que, nao importa de que lado esteja, estara sempre do lado do mal. Por isto as guerras sao abominaveis e deveriam ser abolidas - como se fosse facil, diriam.

Na guerra o natural é matar para nao ser morto, ou matar porque vai ser morto, ou matar quem tambem mata. Nao ha razao nas maos de assassinos, e se alguem esta no seu dia de sorte, ou tem a sorte a seu favor, nao estaria num campo de guerra, se pudesse nao estar. Se esta é porque esta sem sorte.

O belo desta historia é que anos depois estes dois homens se encontraram, nao no ar, nao de lados opostos da vida. Encontraram-se como dois ancioes que guardam um no olho do outro e se dao contam que sao dois iguais, e que alguma coisa muito errada os colocaram como coisas muito diferentes, como inimigos que nunca tiveram motivos para ser. Uma guerra que colocou homens contra homens. E no fim eram apenas isto, homens. Morreram quase que do mesmo modo, ate para dizerem que se lutaram em campos diversos, era uma luta que nao tinha senso de vida.
Juliana P. em 21 de setembro de 2013 às 21:33:49»
O autor do texto parte do pressuposto de que o piloto alemão poderia lançar uma bomba ou mesmo ter matado outras pessoas na guerra - mas esse é um pressuposto errado, não podemos simplesmente partir dessa conclusão sem ter esse dado.

Não seguir ordens de superiores, ainda que as ordens sejam de matar outros seres humanos, é covardia? A guerra é um horro, uma desumanidade em massa, e a escolha de não ceifar vidas e de não participar daquela insanidade sangrenta é uma escolha honrada e muito corajosa - ele não pode se responsabilizar pelo que aquela vida poupada fará depois, ele não pode ser responsabilizado se o homem que salvou-se vai matar, ele fez a escolha dele de não matar, principalmente por considerar a forma de morte injusta - os tripulantes não tinham chances de lutar para salvar-se.

Pela sua lógica, os homens que "seguiram ordens" nos campos de concentração é que foram honrados.
Em uma aula de Direito, uma professora contou um caso do começo da guerra, em que um grupo de jovens soldados alemães foram conduzidos a um pequeno vilarejo de maioria de judeus, e receberam ordens de executar todos. Eles foram ditos que os judeus eram o inimigo, que poderiam fornecer recursos para os inimigos da Alemanha e levar à morte de alemães, mas uma parte dos jovens recrutas recusou-se a matar as pessoas inocentes (e obviamente, acabaram eles mesmo sendo executados, mas antes disso - pasme! - foram chamados de "covardes" pelos demais alemães).

Pela sua lógica, eles são mesmo covardes e traidores. É a própria banalização do mal. Associar a violência com "coragem", com hombridade.
Feba em 10 de setembro de 2013 às 10:51:37»
Excelente post, e simplesmente adorei o ponto de vista do autor, e realmente no início achei uma bela história, mas realmente ele foi um covarde, e é como se tivesse sido "corrupto", pois ele tentou se beneficiar "moralmente" da situação...
Acho q ele não deve ter sido lembrado como herói não, e tampouco humanitário. E os aliados podem se considerar "sortudos", simples assim.
mas , guerra é guerra.
belarmino em 03 de setembro de 2013 às 19:21:03»
Ora de todos os envolvidos foi o unico que poupou algumas vidas ao inves de ceifá-las. No fionald das contas provou-se que a guerra era estupida!
talisffx em 26 de março de 2013 às 03:32:46»
Humanitário
Eu acho q foi uma atitude nobre em termos de humanidade, ele tratou a vida dos soldados inimigos como se fossem aliados. Tratar as pessoas igualmente sem distinção de nacionalidade é uma coisa humana.

Os países não deviam ser dividido pela "raça/dna", deveriam ser divididos pelos pensamentos e crenças.
myrian em 06 de março de 2013 às 15:40:38»
Na verdade é mais difícil matar a sangue frio alguém a quem vc viu os olhos.
Jogar uma bomba das alturas, sobre uma cidade e seus moradores é um ato do qual não se veem de perto as consequências.
Atirar depois de olhar nos olhos de uma pessoa, já ultrapassa as funções da guerra e se trata mais de um entendimento direto entre dois seres humanos.
claudia em 02 de março de 2013 às 20:07:42»
Humanitário ou covarde?

Nenhum dos dois, atrevo-me a julgar, a guerra por si só já é algo primitivo e arcaico , os ideais em torno da guerra sempre são de interesses políticos, atrás de ideologias absurdas ou não, a briga é pelo poder, as ideias que se defendem para chegar ao poder é que dá medo!
Creio que chega um momento em que as pessoas simplesmente se cansam de matar e de ver mortes e destruição, então nesse momento se permitem a ilusão de se ter "moral", ilusão porque a guerra é imoral, você vestir um uniforme para assassinar outros já é imoral, as pessoas terem apoiado e até mesmo tolerados as idéias antisemitas, que já existiam séculos atrás , é imoral ou seja , não existe moralidade na defesa de uma guerra,pois ela se dá com o apoio asqueroso de costumes e pensamentos prejudiciais ao ser , seja humano ou animal. Então eu pergunto Humanitário ou covarde? Simplesmente humano, seria minha resposta.
Vicente Ferreira em 23 de janeiro de 2013 às 16:24:51»
admin, tu és nazi, né?. Então está tudo dito.
Vicente Ferreira em 23 de janeiro de 2013 às 16:17:45»
O piloto alemão fez o que na hora entendeu.

O resto é conversa fiada.
wm em 10 de janeiro de 2013 às 07:17:41»
Achei o final do texto sem nexo nenhum. Na minha opniao ele nao buscou nenhum "beneficio pessoal"…Se ele atirasse naquele aviao ninguem se lembraria, ou falaria sobre o assunto. Tanto que, apenas 40 anos depois, e só porque o outro piloto decidiu comecar uma busca atras do homem que deixou ele sobreviver, é que o assunto foi retomado…. Se nao fosse por isso, ninguem saberia dessa historia. Franz nao contou a ninguem, nem a revistas, nem a nada sobre o seu "ato heroico"… Ele nao estava em busca disso… se nao o teria feito….
Numa guerra, em que vc eh OBRIGADO a participar, é voce por voce mesmo ali… Se ele decidiu que naquela hora seria o mais correto, entao foi o mais correto. Nenhum de vcs jamais participou de uma guerra pra saber oq eh matar "inocentes"… Ali sao apenas pessoas que sao obrigadas a matar os outros por causa de questoes politicas… Ou vc acha que ele nao preferiria estar com sua familia, pais e amigos ao inves de estar ali… tendo que decidir se mata ou nao alguem?

É a minha opniao, mas a conclusao do texto foi ridicula
magnus vieira da silva em 08 de janeiro de 2013 às 17:48:36»
nasistas, comunistas, gays e ladroes... sempre serao... nunca deixarao de ser.... mesmo querendo muito.
OLP em 08 de janeiro de 2013 às 09:29:00»
A decisão do piloto em não derrubar o avião inimigo não cabe análise e muito menos julgamento pois se acharão motivos para se justificar toda e qualquer opinião que se formar. Foi uma decisão pessoal e que somente a ele diz respeito mesmo que muitos não concordem com isso.
Fábio Ferrão Béco em 07 de janeiro de 2013 às 18:35:58»
Em uma guerra não existe humanitários ou covardes, apenas homens que não sabem o que estão fazendo!
avatar
Brunoschefa em 07 de janeiro de 2013 às 18:07:00»
Cara, desculpa, não pude ler todos os comentários, então se qualquer eu disser merda, me desculpe...
Mas Concordo piamente com a Maria, e outra, não dá pra comparar um juiz e um assassino com uma guerra...
No caso só se o juiz fosse criminoso também, seria fedido julgando o mal lavado...
Politico Honesto
"Numa guerra, um soldado não tem que "simpatizar" com o inimigo, pois este, mais que um adversário, representa uma ameaça a sua nação, a qual ele serve. "
Mas esse foi um caso isolado, o piloto alemão provavelmente não dava trégua para todos os inimigos não...

Como já falaram aqui, o erro não está no alemão, está na guerra!

O Piloto só fez uma atitude humanitária, salvou a vida de alguns poucos...
E seria hipócrita da parte do piloto alemão julgar a vida dos americanos pelo que eles fizeram/fazem/vão fazer...O piloto mataria os americanos para poupar a vida de muitos outros, certo? Mas por outro lado, o piloto alemão provavelmente também foi culpado por morte de muitos outros "inimigos", como já dito, ninguém é santo...

Como o Moonwalker falou, imagina se todos pensassem da mesma forma que o Piloto alemão? É algo meio exagerado, mas enfim, "Você matou meus amigos e eu matei seus amigos, ficamos quites e para por aqui"

Imaginem quantos casos iguais não existiram nas duas grandes guerras, mas que não foram noticiados...

Pra completar, estamos falando de milhares de soldados, milhares de milhões, um caso isolado não vai definir uma guerra, e por outro lado se todos fizessem isso, não existiriam guerras...
avatar
KaiserThel em 07 de janeiro de 2013 às 15:07:07»
Admin, você já postou aqui o único momento de trégua das duas grandes guerras? E aquilo? Foi covardia, ou humanidade? Opine você! lol
avatar
Moonwalker em 07 de janeiro de 2013 às 14:08:18»
É, não dá para entender, mesmo. Na verdade, ética não tem muito haver com certo e errado.
Só sei que como eu disse para o Galiza no Facebook, aqueles caras não eram inimigos. Como poderiam? Nem se conheciam...
Por outro lado, estavam servindo nações que eram inimigas. Aí a gente tem que ver até que ponto é ético, bom, mal ou justo obrigar alguém a servir aos interesses de uma pátria que na primeira oportunidade vai lhe negar o seio (experiência própria).
avatar
Marya em 07 de janeiro de 2013 às 13:26:05»
É, simpatizou $$$$
avatar
Politico Honesto em 07 de janeiro de 2013 às 13:18:30»
Talvez pelas mesmas razões pelas quais há tantos bandidos soltos por aí: nem todos os profissionais são sérios e/ou agem de forma impessoal; vai ver, alguém "simpatizou" com o tal médico.

De volta ao assunto do post, cito este apotegma: "Destrua o inimigo antes que ele te destrua".
avatar
Marya em 07 de janeiro de 2013 às 13:05:45»
Juiz?
Dever?
Óra, vamos citar o caso daquele médico que abusou de mais de 50 pacientes e foi condenado à prisão...
Alguém pode me explicar por que o 'dever' deixou que ele saísse da cadeia e fugisse do país?
avatar
Politico Honesto em 07 de janeiro de 2013 às 12:52:30»
Numa guerra, um soldado não tem que "simpatizar" com o inimigo, pois este, mais que um adversário, representa uma ameaça a sua nação, a qual ele serve.
São casos distintos, mas imagine se um juiz "simpatizasse" com um criminoso condenado à pena de morte (por ter assassinado inúmeras pessoas, por exemplo) e, passando por cima de seu dever para com a sociedade e, obviamente, da própria lei, a qual deveria cumprir, de forma imparcial e objetiva, resolvesse simplesmente perdoá-lo e lhe conceder habeas corpus.

Em circunstâncias como essas (incluindo a guerra), os julgamentos devem ser impessoais, pois tais profissionais estão ali para cumprir com o seu dever, antes de qualquer coisa – mesmo porque são as decisões de caráter pessoal, subjetivas, as que mais levam a um arrependimento, mais tarde, no meio profissional.
avatar
Marya em 07 de janeiro de 2013 às 12:37:08»
Tyr, meu caro...

Boa sorte na tua DR...
Não se esqueça de que sempre terá em mim um ombro amigo para chorar... rolleyes
Mas não lhe prometo nada além... pois vc sabe que este ano estou recolhida à meditação rolleyes
Tenha um bom dia... e não se esqueça de levar algumas ataduras ... vc pode precisar
avatar
Tyr em 07 de janeiro de 2013 às 12:18:58»
Maria, pra não fugir do tópico e demonstrar minha determinação eu vou exemplificar o que penso.
SE VOCÊ fosse o piloto do bombardeio e EU o piloto do caça, sem a menor duvida; (1) Eu metralhava (2) Jogava bombas em cima (3) Derrubava (4) E pra arrematar o serviço jogava meu avião em cima.

Se ficou alguma duvida do quão PAU DA VIDA estou me avisa.

Beijos singelos!
avatar
Marya em 07 de janeiro de 2013 às 12:13:48»
Não falei? rolleyes

Hã... ok Tyr... engraçado, de repente me deu uma falta de memória... não me lembro o que comentei... neutral
O que foi que comentei mesmo? rolleyes Não lembro Tyr, nada, nadinha!
razz
avatar
Tyr em 07 de janeiro de 2013 às 12:03:54»
Á Senhora Maria:
Hoje estou como um soldado que foi enviado ao front; Com sangue nos olhos e vontade de comer o figado do meu inimigo.
Meu <3 me deu um chega pra lá e quer uma DR em caráter de urgência urgentíssima. Não me venha falar de paz, amor e fraternidade.

Tenha um péssimo dia! ma
avatar
corvino em 07 de janeiro de 2013 às 11:59:58»
Deve ter muita gente "feliz" com esse piloto na Alemanha e principalmente na região onde o bombardeio aconteceu. A missão de qualquer soldado é neutralizar a ameaça, seja presente ou futura. Salvou alguma vidas, mas pode, com certeza, ter condenado muitas outras. Essa história está um tanto mal contada. Ele não foi humano, foi arrogante. Estava em busca de honra. Queria ver manter a honra na trincheira, com fome, frio e sózinho. Com amigos mortos e aos pedaços por todos os lados. A guerra é suja, não há honra na guerra. Só sobrevivência.
avatar
Marya em 07 de janeiro de 2013 às 11:19:34»
Tyr, sinto que hj vc está num daqueles dias... rolleyes
Melhor eu sair de fininho...
Concordo com vc viu?
Beijinho razz
avatar
Tyr em 07 de janeiro de 2013 às 10:59:14»
Se alguém me explicar o que o C* tem a ver com as calças eu agradeço.
avatar
Marya em 07 de janeiro de 2013 às 10:51:02»
O marido de uma amiga de minha mãe sofria de ataques.
Era aposentado por invalidez.
Ele tinha combatido na segunda guerra.
Tinha neurose de guerra.
A amiga de minha mãe estava andando com ele pela rua sossegados e de repente dava ataque nele. Uma vez ele arrebentou todas as barracas da feira, e não tinha quem conseguisse segurá-lo.
Ele sofreu desses ataques até a velhice, até morrer .

Sabem por que ele sofria assim? Porque ele não era um prego e nem um martelo, mas um ser humano.
avatar
Tyr em 07 de janeiro de 2013 às 10:38:40»
Existe um ditado da Polinésia que diz "É falta de educação matar quem não esta em condições de se defender."
E existe um complemento desse ditado que diz: "E é também uma tremenda burrice não aproveitar isso."

E como disse o célebre Vicente Mateus (Que Deus o tenha!) "Quem esta na chuva é pra se queimar!"
avatar
Marya em 07 de janeiro de 2013 às 10:21:57»
Tá! Agora vamos falar de Tekpix !
Anônimo em 07 de janeiro de 2013 às 10:21:12»
Sou Tenente do Exército e entendo SIM de guerra. Nunca vivi uma mas as estudo a fundo, historicamente e doutrinariamente. Concordo com a opinião do autor do site. A guerra não se trata de um conto de fadas onde existe um lado "bom" e outro "mal". O que existe são nações com interesses próprios. O soldado é uma ferramenta do estado e deve cumprir com suas obrigações à despeito de suas vontades e vaidades.

Tente imaginar seu martelo se negando à acertar um prego.... friamente foi isso o que aconteceu.
avatar
speed em 07 de janeiro de 2013 às 10:16:07»
Cagão, tanga frouxa!
Klaatu em 07 de janeiro de 2013 às 10:13:07»
Uma guerra é o ápice da estupidez humana, mas se voce esta nela tem que fazer o que precisa ser feito. Esse alemão foi um traidor. Ele sempre teve a disposição uma pistola para dar um tiro na própria cabeça, se não concordava com os acontecimentos.

Existe um ditado que diz: " Se voce for uma bigorna, tenha paciencia, se for um martelo, bata!"
avatar
Marya em 07 de janeiro de 2013 às 10:08:38»
Eu não acho que ele foi covarde. Nunca ouviram falar que quem encontrou um amigo encontrou um tesouro?
O alemão simpatizou com o americano, foi amizade à primeira vista, nesse momento não existia mais guerra, mas um sentimento de amor universal que se abateu entre o alemão e o americano.
Prova disso foi que décadas depois os dois se encontraram e se tornaram amigos, ou melhor, deram continuidade à amizade iniciada ali no céu ( céu terreno e não céu do além rolleyes )
Quando existe amizade verdadeira entre duas pessoas, nada pode impedir dessa amizade se realizar.
E a amizade é cega, não vê raça, classe social, credo ou o que quer que seja.

Falam tanto que ele traiu seu país, óra, mas o que mais vemos todos os dias são políticos traindo seu país e seu povo, povo este que o elegeu.

Esquecem que quem vai para uma guerra são seres humanos, homens que têm ou tiveram uma mãe, um pai, irmãos, cachorro, gato e papagaio. Deixam para trás sua família, amigos e sonhos.
Mas eles continuam sendo seres humanos, não viram máquinas ou robôs, ainda possuem sentimentos e tenho certeza que nenhum desses soldados pedem para ir matar ou morrer na guerra, eles vão porque são obrigados.
avatar
Moonwalker em 07 de janeiro de 2013 às 08:14:25»
Tá, se a cada mil soldados, novecentos e noventa e nove escolhessem não atirar, quantos minutos vocês acham que teria durado a guerra?
Não vou dizer que não existam guerras justas, como as do Sioux para proteger seus alimentos, ou como a dos mouros contra as Cruzadas, mas as duas Guerras Mundiais foram injustificáveis. Um abuso, uma covardia. Aliás, neste post, a Grande Guerra foi a única covardia citada.
avatar
Tyr em 07 de janeiro de 2013 às 07:20:43»
(¬L¬) A liberdade surtou?
Lucas Werner em 07 de janeiro de 2013 às 03:16:13»
Vá saber.. Acho que humanitário, pois quanto menos mortes melhor. biggrin
LIBERDADE em 06 de janeiro de 2013 às 23:06:48»
Meu amigo ssssssssssssssssssssssssss, vejo que é bem ignorante mesmo, ao ponto de ser cretino, oque você entende de guerra, ah deve jogar vídeo game, que legal, massa, um dia seu filho ou ate você idiota pode entrar em uma guerra mundial, e cretinos como você que são os primeiros a cai em solo, IDOTA cresça e tome vergonha na sua cara e vai trabalha e honra sua mae e pai, procura a tentar fazer algo útil nesta vida. Queria ter um cara como você em meu grupo seria o primeiro a servi de cobaia em operações de virus.
Homems como voce que suja nossa patria, homems como vc que se Corrompi facilmente, tseu troxa, e ultima bala tinha que ser dada na sua cara.
LIBERDADE em 06 de janeiro de 2013 às 22:52:08»
A questão é, somos seres humanos, se toda as pessoas pensar como você meu amigo do SITE o mundo em que vivemos já teria sido destruído, mas graças a DEUS, ainda existe pessoas que pensa na vida, pensa em pelo menos tentar mudar algo para poder melhorar o mundo em que vivemos. E outra quando entramos em uma guerra somos obrigado a servi o nossa pátria seja sendo a favor ou não. Mas e quando não estamos em guerra, oque nosso pais, oferece para nós, há não sabe neh, olhe para os que dorme na rua em plena noite de frio, me esqueci vc fica ai atrás de seu computador neh, olha nossas crianças entrando na vida drogas por falta de educação adequada, me esqueci vc não tem filhos, no mínimo e filho de rico, pessoas como você deveria morar na África, para ver um pouco da realidade em que vivemos ao invés de ficar criticando pessoas que pelo menos teve a coragem de assumir os erros e tentar corrigi-los, queria ver se fosse seu pai naquela época. Caras como você irmão e os que estraga nosso BRASIL, caras como você tinha que ser banido deste mundo seu IMBECIL.
sssssssssssssssssss em 06 de janeiro de 2013 às 22:00:25»
Guerra é guerra, salvou uns dois e matou tantos outros, pura palhaçada essa "honraria" se fuder, se tá em guerra tem que passar fogo mesmo, sem dó.
bestfx em 06 de janeiro de 2013 às 19:53:55»
Ninguém aqui tem o direito de julgar os fatos.

Não estivemos durante os ultimos 4 anos em guerra tendo de conviver com uma realidade brutal.

O que o piloto do caça fez não certo nem errado.

É a decisão dele tomada naquele momento e não sabemos o que ele vivia para podermos julgar.

Tenho certeza que nenhum dos envolvidos queria estar onde estavão.

A dura realidade da guerra é uma só.

Os fracos perecem e os fortes vivem. A crueldade domina.

Parabéns ao Piloto pela atitude humana mas ele deveria ter atirado.

Em tempo de paz convém ao homem serenidade e humildade; mas quando estoura a guerra deve agir como um tigre!

William Shakespeare
severo m soares em 06 de janeiro de 2013 às 19:51:08»
quem vai para chuva é para se molhar , quem vai para guerra é para matar ou até mesmo morrer , mas tudo com honra e defesa da pátria !
avatar
Tyr em 06 de janeiro de 2013 às 19:20:55»
Estamos falando das mazelas de ser humano, pois como tal trato o assunto.
É horrível de se admitir que tiraria a vida de outros e que fosse em circunstancias tão frias, e a guerra é.
Pois bem, avião inimigo, que bombardeou instalações em céu aéreo de sua pátria, não tem o que pensar. Derruba.

Como citaram abaixo, "O resgate do soldado Rayn" exemplifica bem isso, polpou no inicio e viu seus amigos serem mortos pelo mesmo.
avatar
KaiserThel em 06 de janeiro de 2013 às 19:11:21»
Nem um e nem outro... Não da para julgá-lo pela circunstância. Eu atiraria nele se fosse essa a minha ordem!

O problema da guerra é que nela vale TUDO, você não pode confiar que um cara está morrendo porque ele pode não estar e te atacar do nada... Em uma guerra você tem que estar em alerta o tempo todo e não tem essa de ser humanitário ou covarde, você vai ser o que a circunstância te obrigar a ser e no caso dele ele foi humanitário, o principio dele de salvar uma vida e não ter que encarar o fardo de ter matado mais um prevaleceu!

Afinal de contas, tem outro fator em uma guerra, não se tratam de apenas pessoas frias lá, sem sentimentos, imagina você matar um cara que nunca fez nada com você só por uma desavença diplomática? É complicado analisar psicologicamente, ou até mesmo não estando lá sad
avatar
LukeSchimmel em 06 de janeiro de 2013 às 12:44:14»
Raxyz, o lado matador psicopata é um esteriótipo dado ao perdedor. Assim como o lado do ganhador cometeu torturas e -assassinatos- em massa e simplesmente ocultou. Isso aconteceu em ambos os lados.

Alemanha matava judeus (que também eram os "vilões" econômicos da Europa, e controlavam boa parte do capital enquanto viam os países falirem e caírem em inflações gigantescas, além de que foram/são um dos povos mais racistas do mundo) , Russia e China matavam qualquer um, Estados Unidos da America explodiu e contaminou cidades e mandava qualquer qualquer para a guerra ( ninguém chama os yankes de assassinos porque, afinal, eles venceram e escreveram a história ), Inglaterra queimava, matava, torturava, culpava quando não tinha quem culpar os negros/jamaicanos (que também eram lideres do comercio de drogas). E isso tudo é só a pontinha do monte, nenhum dos lados está certo.

Não posso julgar, não estava lá nem sequer tenho fontes imparciais. E não devo acreditar em alguém que escreve sobre si mesmo. Não posso julgar um individual pelo seus lideres (se você também é brasileiro também deve concordar com isto).

Bele> Você é um ser humano, e quando pousasse você veria o que outro ser humano fez com vários outros seres humanos, estes seus compatriotas, e que faria novamente.

Kelly> O problema não é você recusar e ser morto, é você recusar, ser morto, desgraçar sua família e desonrá-la, eles não conseguiriam um emprego ou sequer esmola na rua. Isso acontece em todas as guerras.

Nota: Eles não eram paraquedistas indefesos, eles tinham uma arma. Se você está em um campo de guerra, como uma arma, você é uma ameaça.
Kelly2787 em 06 de janeiro de 2013 às 10:01:30»
Pra mim se o soldado prezasse a honra, nem sequer entraria na guerra. Sim, muitos foram presos em campos de concentração naquela época por não quererem matar pessoas na guerra nem honrar a Hitler. Mas já que estava na guerra ele deveria sim matar o inimigo, porque foi o inimigo que matou milhares de compatriotas e até parentes e amigos. Não acredito que trair a nação seja combater com honra.
Bruno Schefa em 06 de janeiro de 2013 às 02:59:25»
Bom, sei lá, eu fico dividido nas opiniões, e não sei o que faria na hora...
Não fazemos idéia do que se passa na mente de um soldado, e tentar entender isso é inútil...
avatar
Bele Natal em 05 de janeiro de 2013 às 23:43:51»
Nossa, faria o mesmo que o piloto alemão, sou um ser humano, ele não viu ali um inimigo mas sim seres humanos, jovens com sonhos, uma família e que provavelmente estavam naquela guerra pelos mesmos motivos que ele...não tiveram opção. Por mais treinamentos que possam passar soldados, eles não são maquinas de matar, são possoas como eu ou você. sad
avatar
Moonwalker em 05 de janeiro de 2013 às 15:38:20»
Uma coisa é você pisar num formigueiro e tentar matar as formigas que te picam. Outra coisa é voltar no outro dia e jogar água quente no formigueiro. A segunda atitude seria uma retaliação, mas não seria honroso, com certeza.
De qualquer forma, prefiro morrer do que ter que segurar uma arma.
Página 1 de 2 (81 comentários)
« Ant. | Primeira | 1 | 2 | | Última | Prox. »