Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Página 1 de 2 (69 comentários)
« Ant. | Primeira | 1 | 2 | | Última | Prox. »

IVAN ROZALEM em 02 de setembro de 2016 às 11:40:59»
" SENSACIONAL MATÉRIA , QUE ALGUM DIA FAÇA PARTE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR TODA A VERDADEIRA HISTÓRIA HUMANA , MUITO BOM ! "
Teófilo em 18 de julho de 2016 às 08:48:43»
Reticências nunca é 'tanto faz'. Anote: serve para interromper um pensamento ou ideia ou uma ação que ainda não terminou, transmitir na escrita sentimentos típicos da linguagem falada, propor uma ideia deixando que a conclusão fique por conta do leitor, realçar uma expressão ou indicar que uma frase está incompleta entre outras. De nada!
Generoso em 18 de julho de 2016 às 02:58:21»
Detestei esse post em alguns aspectos deselegantes e extremistas. Não gosto do fato de indagar frustrações e nem ao mínimo ressaltar algo valioso como... [...]
É tanto faz.
Julio Cesar Eugênio em 08 de fevereiro de 2016 às 19:28:05»
Adorei o texto, muito bom, instrutivo e divertido
Marcos Jean em 07 de fevereiro de 2016 às 21:12:53»
Caracas velho, esta tal Simone deve ter se arrependido até o último fio de cabelo do cu.
Wander em 09 de setembro de 2015 às 09:44:35»
Simone owned! Podia ficar sem essa! Roubartilhei este último comentário Mdig.
avatar
Redação em 03 de setembro de 2015 às 22:03:50»

Simone, você pode comprovar cientificamente que o consumo de orgânicos é mais saudável que o de inorgânicos? E mais, você atesta que a remanência de pesticidas nos alimentos convencinais é a causadora do câncer. Se sim, deveria reclamar o seu Nobel pois a própria Food and Drug Administration concluiu que a quantidade de pesticidas não-orgânicos encontrados em alimentos não causa ou contribui qualquer problema para as questões relacionadas com a saúde. Este jacobinismo dos defensores dos orgânicos beira a impostura intelectual (no melhor dos casos) ou a mentira e leviandade (no pior).

Este é um artigo que acabo de escrever em outro blog que transcrevo aqui. Se lê-lo inteiro vai entender a minha oponião:

A popularidade dos produtos orgânicos cresceu consideravelmente nos últimos anos pese a que, muitas vezes, o preço destes alimentos chega a ser o dobro que o dos convencionais. Vale a pena a maior despesa? Segundo um estudo científico da Universidade de Stanford, cujas conclusões foram publicadas no Annals of Internal Medicine, os alimentos orgânicos não parecem mais saudáveis que os convencionais. Especificamente a pesquisa indicou que "A literatura científica atual não tem nenhuma evidência, sequer, para sugerir que os alimentos orgânicos sejam mais nutritivos do que os alimentos convencionais."

O estudo consistiu em analisar 240 artigos científicos relacionados com esta matéria, que também indica que não existem diferenças entre ambos tipos de alimentos. A pesquisa sintetizou os resultados de 17 estudos realizados com humanos com alimentação orgânica e convencional e 223 que comparavam os níveis de nutrientes, bactérias ou contaminação por pesticidas em ambos os tipos de alimentos. Apenas um nutriente, o fósforo, aparece em maior medida nos alimentos orgânicos, algo que, segundo os pesquisadores, não tem muita relevância clínica.

Também há uma diferença entre os níveis de pesticidas detectados, já que os alimentos orgânicos possuem 30% menos risco de contaminação que os produtos convencionais. Contudo, os autores do estudo asseguram que as frutas e verduras orgânicas não estão totalmente livres de pesticidas e que, de qualquer maneira, todos os alimentos costumam estar dentro dos limites permitidos.

Por conseguinte, os resultados repetem os que foram apresentados em 2009 por um estudo da Agência de Padrões Alimentícios (FSA) do Reino Unido sobre as afirmações da indústria de produtos orgânicos.

- "Há pouca diferença, se houver, nutricional entre alimentos orgânicos e produzidos convencionalmente e não há nenhuma evidência de benefícios adicionais de saúde ao comer alimentos orgânicos".

Ainda que nesse caso, ressalvam que o sabor e seu maior respeito pelo meio ambiente talvez sejam fatores que façam inclinar a balança para os alimentos orgânicos. Razões que, ainda podendo ser verdadeiras, provavelmente não são suficientes, por si próprias, para fazer com que as pessoas gastem o dobro em seu carrinho de compras.

Ou seja, com base em pesquisas científicas feitas até agora, não há diferença nenhuma em se alimentar com orgânicos ou convencionais e ninguém pode garantir -a não ser que seja leviano- que um é mais saudável do que o outro, mas os fanáticos dos orgânicos acham que a espécie humana devia esquecer o "artificial", o "veneno" (como eles gostam de dramatizar) e voltar, a fazer a agricultura sustentável. De novo, voltar ao orgânico impõe esquecer-se de que somos milhares de milhões de pessoas no mundo e não só um grupo de ecologistas, gente "do bem" e cool.

Se voltássemos ao orgânico, muita gente morreria de fome, e todas as selvas do planeta deveriam ser devastadas. Isso se deve a que a agricultura orgânica produz pouco, tal e qual explica Matt Ridley em seu livro "O Otimista Racional - Por Que o Mundo Melhora":

"Isto se deve a química básica, já que a agricultura orgânica evita qualquer tipo de fertilizante sintético, acaba com os nutrientes minerais na terra, particularmente o fósforo e o potássio, mas finalmente o sulfeto, o cálcio e o manganês. Este problema é resolvido acrescentando rocha triturada ou farinha de ossos de pescado à terra. Estes têm que ser extraídos ou, lógico, pescados. Seu problema principal, no entanto, é a deficiência de nitrogênio, que pode ser revertida semeando legumes que fixam o nitrogênio do ar, que devem ser aplicadas introduzindo-os na terra com um arado ou dando de comer ao gado, cujo esterco penetrará a terra posteriormente.

Se nos sujeitarmos a tudo isso, talvez consigamos que uma parcela de terra cultivada organicamente produza tanto quanto uma parcela de terra cultivada não organicamente. No entanto, deveríamos usar terra extra para cultivar os legumes e dar de comer ao gado, o que termina duplicando a área de cultivo.

Claro está que esta trabalheira toda justifica o preço mais elevado do alimento orgânico, ninguém está duvidando da capacidade e da entrega das pessoas que se dedicam a esta agricultura, principalmente no âmbito familiar. O que não está nem um pouco certo e que constitui uma falácia, um grande embuste, é a propaganda enganosa de dizer que o preço é maior porque é "mais saudável".

E a ladainha de diminuir a dependência de combustíveis fósseis?

"A não ser que o alimento orgânico queira ser caro, escasso, sujo e podre, tem que ser produzido intensivamente, e isso implica o uso de combustível. Na prática, meio quilo de alface orgânica, cultivada na Califórnia sem fertilizantes sintéticos nem pesticidas, que contém 80 calorias, requer 4.600 calorias de combustível fóssil para chegar ao prato do cliente em um restaurante da cidade: semear, replantar, colher, refrigerar, lavar, processar e transportar tudo isso consome combustível fóssil. Uma alface convencional requer também 4.800 calorias. A diferença é trivial."

Como vemos, o discurso de bicho-grilo é "lindo", difícil é colocá-lo em prática. Os agricultores orgânicos, ademais, recusam também a tecnologia da modificação genética, apesar de que foi um invento brilhante da década dos anos 1980 como alternativa mais amável à "cria por mutação" que usava raios gama e químicos carcinógenos.

"Sabiam que esta era a forma em que muitas culturas foram produzidas durante os últimos 50 anos? Sabiam que grande parte da massa que comemos vem de uma variedade de trigo submetido a radiação? Sabiam que a maioria das peras asiáticas crescem em enxertos também radiados? Ou que a Golden Promise, uma variedade de cevada especialmente popular entre os cervejeiros orgânicos, foi criada em seu início em um reator nuclear britânico nos anos cinquenta através de uma mutação em massa de seus genes seguida de uma seleção? Nos oitenta, os cientistas chegaram a um ponto no qual, em vez desta mistura aleatória dos genes vegetais que produzia resultados incertos e muito dano genético colateral, podiam pegar um gene conhecido, com uma função conhecida, e injetá-lo no genoma de uma planta para que surtisse assim a transferência horizontal de traços entre espécies que acontece relativamente pouco entre as plantas na natureza (ainda que seja muito comum entre micróbios).

Pois então Simone, pese a sua opinião proselitista, segundo aos olhos da ciência todos os alimentos, orgânicos ou não, podem ser colocados no mesmo balaio. O mais cômico de toda esta crítica, é que, de acordo as suas próprias palavras, você está farta de si própria, ao me rotular de forma maldosa e despropositada de ignorante. Pressuposto ad hominem é baixaria, você não ganha absolutamente nada tentando me ofender. Eu poderia mandá-la comer cocô de vaca para ver se aduba um pouco o seu orgânico bom senso, mas prefiro apenas dar uma dica básica sobre comportamento com pessoas que você não conhece: educação.

Simone Benedet Fontoura em 03 de setembro de 2015 às 17:05:14»
O autor, quando coloca diz que alimentos orgânicos são uma falácia, está abertamente admitindo sua ignorância. Ele deve se referir aos produtos industrializados orgânicos, que sabemos bem há sim uma apropriação do agronegócio nesta fatia do mercado. Mas o autor parece desconhecer que há no mundo e no Brasil inclusive redes de agricultores familiares agroecológicos que estão cultivando de forma saudável alimentos há mais de 3 décadas. Falar displicentemente e de forma genérica sobre os alimentos orgânicos coloca todos num balaio só, como se a batalha travada pelo movimento de muita gente que trabalha na agroecologia fosse uma coisa sem sentido. Sugiro ao autor, que procure estudar mais e compreender o mundo na perspectiva deste outro lado. Pois quando faz um comentário destes num texto aparentemente tão bem embasado, só presta um desserviço para todos que estão duramente batalhando para melhorar a qualidade dos alimentos que consumimos. Estou farta de gente assim, que generaliza tudo e rotula as coisas!!! Vá comer veneno e que se dane!! Se o passado era ruim, pois bem, concordo. Isso não significa que devemos aceitar tudo que a industria de agroquímicos faz com nossa saúde, trazendo o cancer como epidemia mundial! Coma venenos então Senhor Autor Dono DA Verdade.
Leonardo A Deserto em 02 de setembro de 2015 às 23:28:38»
Agora me ocorreu o seguinte: partindo da premissa do texto (corretíssima), daqui a muitos séculos, se ainda estivermos por aqui, certamente as pessoas pensarão em como era terrível viver no início do século 21. Só para ficarmos em um exemplo, eles darão risadas do bizarro fato de sermos todos fumantes passivos por respirarmos as emissão tóxicas de milhões de automóveis.
Vandré em 18 de março de 2015 às 01:06:17»
Sim, é verdade que ninguém é obrigado a entender de paleontologia,geologia, subdivisões do quaternário,pleistoceno superior (quando aconteceu grande parte das situações citadas) porém ficar confundindo a cada dos avós com tudo isso é bem punk e sem sentido.
Vandré em 18 de março de 2015 às 01:01:03»
Você tem um grave problema de se localizar nas períodos descritos no texto Paulo Guarnier e muito provavelmente desconheça lindamente o que é pleistoceno, já que acha que isto se passou na idade média. Deixe de pagar mico criatura!
Paulo Guarnier em 10 de março de 2015 às 02:57:18»
A tecnologia e o conhecimento podem melhorar nossa vida, lógico que a vida tinha menos chance de ser boa no passado. Mas achei esse texto cheio de generalizações. Por exemplo, a questão da higiene. Sempre teve gente porca, que não toma banho, ainda mais com o trabalho extra de esquentar água no fogão e encher um tanque. Mas dizer que ninguém nunca tomava banho? Isso não condiz com as pinturas, esculturas ou mesmo contos do passado, mostrando cabelos lisos, penteados, roupas limpas e engomadas. Mesmo os camponeses da idade média não eram mendigos, tinham casa, e deviam ter acesso a água, havia poços, banheiras e sabão. Até na bíblia aparecem passagens referentes a higiene corporal, como pode?
Eu me recordo que bem na minha infância, eu ia visitar meus avós, que moravam no campo, eles não tinham luz elétrica nem água encanada. Lembro que havia um poço em frente a porta. A água era muito, mas muito boa para beber, eu me lembro, gostava muito de beber aquela água. Havia até um chuveiro parecido com um regador, que era pendurado na parede e tinha uma válvula que liberava a água aquecida. As necessidades eram feitas numa fossa séptica, popular patente.
Outra coisa que me parece sem fundamento, é ficar sem beber água e tomando bebida alcoolica no lugar. Não iriam morrer de desidratação? Pois o alcool é diurético, e o organismo precisa de água.
Não procede também que não havia higiene bucal. Era mais complicada também, mas as pessoas fabricavam uma pasta de dente caseira e uma escovinha rústica. Tinham que cuidar dos dentes, afinal, cada processo de cárie era um dente a menos. Também não consumiam açúcar, o que preservava mais os dentes.
Sem dúvida que a tecnologia agricola do período era muito inferior. Mas a natureza não. Haviam mais florestas para segurar as pragas no mato, conter a poluição, o clima era mais ameno e a camada de ozónio estava 100%. E não havia superpopulação, plástico, e outras porcarias de hoje.
O que eu quero dizer não é simplesmente que o passado foi melhor que o presente está sendo, e sim que o futuro pode ser muito pior, e devido as mesmas coisas que trazem benefício hoje. Não que devamos regredir tecnologicamente, mas buscar superar os nossos paradigmas atuais. Assim como com a tecnologia do passado nós hoje não sobreviveríamos, no futuro a nossa tecnologia atual será nosso fim.
Brian Sewell poser em 16 de agosto de 2014 às 02:49:46»
Na "verdade verdadeira", havia Justiça, sim, na Roma Antiga. Aliás, a base do nosso direito moderno é herdada dos Romanos: o ônus da prova cabe a quem acusa; em dúvida, decide-se a favor do réu; a Justiça deve ser gratuita e acessível a todos. A única diferença é que esse "todos" não incluía os escravos e os estrangeiros. A civilização Romana, destruída pelos bárbaros germânicos, era bem melhor do que isso que vai no texto, que remete mais à idade média (o que, ironicamente, mostra que o vem depois nem sempre é um avanço em relação ao que veio antes). E não se pode generalizar que as condições de higiene fossem assim tão escabrosas por toda parte, em todos os países e em todas as classes. Vejam as condições salubres das casas burguesas retratadas pelos pintores da Era Dourada Holandesa, no século XVII - pintores como Vermeer, Gerrit Dou, van Brekelenkam, Cornelis Bisschop e Nicholas Maes tinham como tema favorito cenas do dia-a-dia doméstico e basta dar uma "googlada" com os nomes deles para ver.
Zelmiro em 28 de janeiro de 2014 às 11:03:40»
Incrível como as pessoas ignorantes continuam inventando conceitos e formas rebuscadas para inserir deus no meio, só pra não parecerem tolos por causa de seus medos e preguiça de raciocinar. Não existe diferença em quem acredita em um deus turbinado do macrocosmos e um deus simplório que faz chover. É preciso ignorância pra crer tanto num quanto noutro. Estas tentativas só reafirmam a total desnecessidade de quaisquer deuses e reafirmam Sagan quando disse que alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias.
Thomas Fuchshuber de A. J em 28 de janeiro de 2014 às 01:32:25»
O engraçado é pensar que ainda hoje vemos a religião de forma que víamos na Idade Média, ou até mesmo nos seus primeiros tempos de criação. Deus (pelo menos para mim) é nada mais do que a energia imutável que rege tudo e todos desde microuniversos até macrouniversos, e a fé é a canalização da mesma que de algum modo favorece a todos seres vivos.E é por isso que eu acho que há uma crescente linha de pensamento ateísta, por acreditar naquela religião que fora criada em épocas passadas e que não fazem mais sentido no mundo contemporâneo.Por isso acredito que também precisemos de evolução na forma de pensar, quando dizemos a palavra "religião"
Aldo Novak em 01 de janeiro de 2014 às 22:30:48»
Muito bom. Mostra que tentar voltar ao passado seria impensável. O passado - horrível - passou.

O mundo pode até estar caos, do nosso ponto de vista, mas nunca estivemos em um mundo melhor. Ainda temos as religiões tentando convencer as pessoas de absurdos (e conseguem fazer isso, com parte da população) mas aos poucos as pessoas vão somando 1 + 1.

Concordo com José Mauro Saraiva - um dos melhores textos que já li, para recolocar as coisas nos eixos.

Aldo
Tiago em 01 de novembro de 2013 às 23:52:24»
Se o seu critério absoluto de felicidade é o conforto material, tudo bem.
avatar
Evandro Eloy em 23 de outubro de 2013 às 20:16:56»
“Jamais digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Pois não é sábio perguntar assim.” (Eclesiastes 7:10)
Isabela em 31 de agosto de 2013 às 13:39:42»
Texto magistral. As pessoas pensam que o passado é como aparece nos filmes de Hollywood ou nas telenovelas ditas "de época". Eu costumo dizer que, graças a Deus, eu nasci no tempo certo.
José Mauro Saraiva em 23 de agosto de 2013 às 17:36:47»
A matéria " O passado, na verdade..." tá simplesmente imbatível. É produção que deveria ser difundida em escolas, pelo menos até o Ensino Médio, e sedes comuitárias, pelo mundo todo.
Com 71 anos, incluo essa mensagem entre as coisas mais importantes que já li. E olha que comecei a ler aos 16 anos, e, adoidamente, aos 20.
avatar
Confortably Numb em 05 de agosto de 2013 às 11:48:06»
2\/ kkkkkkkkkkkkk
Ulisses Sampaio em 05 de agosto de 2013 às 10:10:04»
E uma vacina anti-rábica! mrgreen
keb em 05 de agosto de 2013 às 09:52:17»
Sai um curso de interpretação e um cocho de ração aí. mrgreen
AlineSouza em 05 de agosto de 2013 às 07:31:00»
Quando se diz de um passado melhor é há poucas décadas atrás e não há séculos atrás né? Faz favor que coisa forçada. Ninguém poderia ter saudade do que não viveu, e ninguém viveu nesse tempo. Geralmente as pessoas tem saudade dos seus tempos de infância ou juventude ou de seus avós.

Por que gostaram tanto desse texto (da parte do admin que digo), só porque tem palavrão? Eu acho isso tão baixo... admin já foi melhor, eu ainda acho que ele anda meio depressivo. Tá vendo, passado era melhor!
AlineSouza em 05 de agosto de 2013 às 07:23:05»
Cara, pelo amor. Quando se diz que o passado foi melhor é em sentido de HUMANIDADE obviamente que não é no sentido de ciência e tecnologia!! Que burrice ¬¬'

sim, era melhor, compare filmes e séries antigas com a atual decadência moral de agora.

Mas a verdade é que a humanidade tem altos e baixos. Pessoas já foram jogadas aos leões isso era terrível. Somos maus e bons, a cultura da época lapida o que vai ressaltar mais. Mas a tendência é só piorar. Criancinhas sendo mortas dentro de sua própria casa por chorarem. Quem acha que está melhor mesmo?
gi em 03 de agosto de 2013 às 16:21:50»
Poxa ótimo texto, msm gostei. Eu gostaria de acrescentar a minha visão sobre o que foi falado que as mulheres serem tratadas como se fossem um objeto e td mais. Sobre o que eu leio sobre a vida na idade média, as guerras e a vida cotidiana me parece que o estupro que hoje é visto como algo tão horrendo, no passado não era nada mais do que normal e até msm aceitável, em uma guerra as mulheres do inimigo eram tomadas e estupradas e o que me parece é que o estupro não era nem tanto como uma forma de de satisfazer os desejos de homens cruéis e sim uma maneira de subjugar e humilhar o inimigo. Até msm haviam pais que vendiam suas filhas para senhores ricos independente do que fosse acontecer com ela por poucas moedas. É realmente espantoso como a humanidade evoluiu desde aquela época e mt triste ver que em muitos lugares muitas dessas coisas ainda acontecem, tendo como desculpa os costumes ou a religião. Eu espero que nós continuemos evoluindo até que quem sabe um dia cheguemos a um mundo que isso não exista mais.
rrm em 02 de agosto de 2013 às 23:35:13»
BOM RESUMO
Parabéns pelo tabalho.
... E os comentários elucidam que as pessoas que leram também são muito legais, respeitosas, auto-críticas, humildes, inteligentes, sensíveis e, no sentido ideal, descoladas.
um abraço a todos...
PESSOAL... o resumo é ótimo... mas leiam também os comentários, pois, creiam, as surpresas, os elogios, as alegrias, os agradecimentos, e até pequenas discordâncias são muito instrutivas para todos nós... e estimulantes para buscar mais conhecimento!
avatar
Confortably Numb em 02 de agosto de 2013 às 15:41:26»
Muito bom!!!

Também li a prestações... hehehe

Este tipo de texto é bom e será cada vez melhor daqui por diante, pois as pessoas estão se esqueçendo dessas épocas da humanidade e vão achando todo este conforto crescente de hoje em dia cada vez mais insignificante.
Não é preciso ir longe, quando falo com meus sobrinhos que na idade deles eu ficava todo dia de manhã esperando o leiteiro passar com sua charretinha no portão da casa da minha mãe (interior de MG) pra entregar nosso leite, eles olham pra caixinha de leite na mesa e me olham como se eu fosse um ser de outra espécie... kkkkk
Acho bom as pessoas terem o conhecimento desses outros mundos que nossos antepassados viveram.
avatar
Bire em 02 de agosto de 2013 às 12:36:50»
Ótimo post, li a prestação pois estou sem tempo, mesmo assim mantive a curiosidade pra continuar. Talvez seja do ser humano a nostalgia crônica. Da mesma forma de se pensar que o amanhã será também melhor. Sempre com o pensamento de estar trancado no presente, este o mais infeliz dos tempos e, ironicamente, o único que realmente temos algum controle. Mas você mostrou com maestria a evolução da humanidade.Parabéns.
avatar
Moonwalker em 02 de agosto de 2013 às 11:49:00»
É, faz tempo que parei de acreditar que o passado seria melhor do que agora. Certamente que existem coisas que ficaram piores, mas a tecnologia nos livrou de muitos problemas.
avatar
Elbereth em 02 de agosto de 2013 às 11:04:27»
Tem razão... eu lembro que poder correr com tênis dava uma sensação de "posso conquistar o mundo" hahahahaha
avatar
Redação em 02 de agosto de 2013 às 10:59:13»
Elbereth, eu citei o pé no chão como um exemplo das dificuldades que tínhamos e que na atualidade temos o costume de romantizar. Minha família tinha uma boa condição de vida, mas assim que chegava da escola minha mãe corria a me advertir para tirar o tênis para não estragá-lo. Um conga custava o olho da cara e é um tênis vagabundo que hoje pode ser comprado por não mais que 10 reais. E não tínhamos quereres, era aquele e pronto, afinal era o único que existia, hoje temos trocentas marcas com preços que variam segundo os bolsos dando chances a todos de terem um.
avatar
Sentinela em 02 de agosto de 2013 às 10:29:31»
Cada era tem seus problemas e suas vantagens. Cabe àqueles que nela vivem fazer de tudo para que só a parte boa sobressaia.
Cdr em 02 de agosto de 2013 às 10:18:19»
O passado humano é horripilante!!

Apesar de que o presente não é muito diferente.
avatar
Elbereth em 02 de agosto de 2013 às 10:05:31»
Admin, quanto ao pé no chão eu ainda tenho uma ressalva. Andei e brinquei muito descalça, em casa só coloco alguma coisa no pé se estiver muito frio... e ainda acho isso ótimo.

Minha mãe é pediatra, e me conta que começou a ver crianças com pés meio "deformados". O termo é pesado demais, mas é o mais próximo que achei. Basicamente, os pés das crianças que só andam calçadas cresce no formato dos calçados, com a pisada errada, e isso prejudica quando crescem.

E em relação a muitas doenças, muitas vezes é melhor pegar de criança do que adulto... uma criança que se expõe a pequenas quantidades de vermes e bactérias, o dia que se expor a uma quantidade maior já vai ter uma defesa base.

A limpeza excessiva não faz bem, também...
avatar
Redação em 02 de agosto de 2013 às 09:59:24»
Você tem razão Edgar, também tenho saudade de muitas coisas do meu passado, a principal delas é a segurança. Mas, curiosamente, em termos globais, a violência caiu vertiginosamente; o que nos dá uma luz no final do túnel de que a situação que estamos vivendo no Brasil pode ser passageira.

Tenho saudades das amizades do interior e da vida simples que levava. Mas escrever o texto foi quase que uma terapia porque, como a Evelyn comentou, eu as vezes sou do tipo rabugento que fala bem do passado sem raciocinar muito. Por exemplo: eu falo com nostalgia que andava o dia inteiro com o pé no chão, como se isso fosse bacana. Mas não era, fora os benefícios da Mycobacterium vaccae isso me rendeu muito bicho de pé, bichas (lombrigas) e ferimentos.

As coisas eram muito muito caras, faltavam empregos. Hoje, aqui em Joinville, as empresas estão catando funcionários a laço, faltam profissionais e qualquer um pode comprar o seu carrinho com prestações a perder de vista.

Retrocedemos em pouquíssimas coisas, talvez mais, como disse, no aspecto pessoal de privilegiar o eu em detrimento do nós, mas isso dá para corrigir com o tempo. Basta despertar a empatia nos jovens e promover os movimentos colaborativos, e a internet é um ótimo lugar para fazer isso. Não acha?
avatar
Elbereth em 02 de agosto de 2013 às 09:30:50»
Ih Admin, ignora... é o que todo mundo que não está participando está fazendo.

E, realmente, o texto está ótimo... reli hoje só pra reler hahahaha
avatar
Fabio em 02 de agosto de 2013 às 09:20:37»
Admin, sempre que voce posta sobre os "podres" da humanidade, alguem vai jogar a culpa pra religiao, e outrem vai jogar a culpa de volta...

o problema nao é a religiao, nem a diversidade extrema (no caso na africa)

o problema somos nos mesmos.
Ulisses Sampaio em 02 de agosto de 2013 às 09:09:50»
O artigo esta ótimo, já alguns comentários... Mas gostaria de agradecer, me fez lembrar porque desisti do cadastro.
avatar
Redação em 02 de agosto de 2013 às 09:04:46»
Vocês vão mesmo rebaixar este post a uma chata discussão sobre religião e ateísmo?
avatar
xandy46 em 02 de agosto de 2013 às 09:01:37»
Espera ai, deixa ver se entendi. A criança tem seu amiguinho invisível e eu que não tenho nada a ver com o assunto "tenho que acreditar" que ele não existe? É isto? Que argumento mais infantil.

Cabe o argumento contra a pessoa já que o argumento é com base na crença cega da mesma. Vou entender se não compreender. mrgreen

Antes que eu me esqueça a falácia é ad hominem. De nada!

Para você também. Vai pela sombra! twisted
avatar
Layla em 02 de agosto de 2013 às 09:00:12»
Fabuloso texto!
Coisas assim me fazem vir aqui todos os dias.
Que sorte temos em viver agora, nessa época, ainda mais as mulheres.
Thiago Peres em 02 de agosto de 2013 às 08:39:45»
Acreditem, pessoas... se vcs acham o mundo um lugar ruim, repensem! Essa foi a matéria mais legal até o momento que li no MDIG, me fez refletir muuuuuuito e vou reclamar bem menos de tudo agora.. rs.. demais, parabéns MDIG!!!
Franco em 02 de agosto de 2013 às 08:30:41»
Xandy46... Gostava mais quando vc só cantava música baiana...
Bom, como argumentar com um cara que usa e abusa do argumento "ad homini" (provavelmente sem nem saber o que é isso). Me chama de fanático, de idiota, de isso de aquilo... Traçando um fiel auto-retrato.

Caro chanty... A GRANDE VERDADE é que NÃO SABEMOS se existe ou não Deus. A crença em sua existência ou inexistência é baseada em fé. Então, vc é tão crente quanto eu, só que na hipótese inversa. Sacou? Leia de novo...

Aceito a sugestão de "crescer" e a devolvo, com juros . Vc precisa parar de atacar quem argumenta e não o argumento (ops, expliquei). Pare com isso. Parece briga de torcida. Se o seu nick tem algo a ver, e vc tem 46 anos...Cara, já passou da hora de dar peso ás tuas palavras...Sempre é tempo.

Se vc der mais uma lídinha, verá que ninguém aqui está defendendo atrocidades. Só acho superficial o entendimento de que todo o mal do mundo vem da religião... Aliás, correndo o grande risco de não ser por vc entendido, o ateísmo militante também é um tipo de religião, pois a palavra "religare"' etimologicamente significa "buscar re-ligacao com suas origens". Bom, acho que exagerei Chanty...

Eu agradeço sim pela religião cristã que até hoje inspira abnegados a agir em prol dos marginalizados. Até hoje.

PS. Ei , Xanty: imagine que louco seria fazer uma pesquisa e concluir que um de seus antepassados foi abandonado pelos pais e criado num orfanato por freirinhas católicas...Que situação hein?
Hoje não existiria Xanty cuspindo ódio por aí...

Bom fim de semana. Juízo.
avatar
DanielWaos em 02 de agosto de 2013 às 06:49:50»
Parabéns Admin, dos posts de 2013 este de longe é o melhor, pois toca em uma questão muito interessante, eu mesmo sempre pensei um pouco diferente com relação ao passado, (sem vergonha, nem consciência) de dizer algumas vezes que se tivesse uma passagem só de ida para a era medieval eu iria, hoje lendo isso, me arrepia os cabelos só de imaginar o que encontraria por lá, eu gosto de ler ideias e textos e pensar sobre eles, e se de alguma forma houver base científica para o mesmo, assumo como algo crível e verossímil, depois que lí o post estou a refletir sobre o que vivemos hoje, e tenho uma opinião quanto a isso, assim como os commentários abaixo, realmente há lugares que ainda são bem próximos aos que citou no texto, senão piores, (as fotos do afeganistão que o digam)... então até onde meu conhecimento me permite dizer, estou realmente muito contente de ter nascido em 82, em são paulo, ter uma familia razoavelmente bem, financeiramente psicologicamente... e por ai vai, no mundo atual há uma questão que considero a mais importante, senão sempre, pelo menos agora e chama-se: "conhecimento", por meio deste eu posso saber o quão bem estou com a vida, o que me espera ou não além desta, mas principalmente nesta como viver e ser, e se está bem ou mal em comparação com os outros, eu não sou rico, nem famoso, nem nada diferente de qualquer outro da classe media-baixa atual. Porém tão pouco quero ser também, o que me falta em termos financeiros alcançar é uma renda passiva para manter ou melhorar um pouquinho meu padrão de vida e só, padrão esse que, aos olhos de quem lê esse texto já é algo que reis e faraós não puderam ter no passado. Se penso no veículo ali fora que me permite ir confortavelmente trabalhar (sem pegar transito) a comida no armario e geladeira, que está extremamente limpa e boa (comparado ao texto) e agua quente e LIMPA do chuveiro e da torneira da pia, a rede de esgotos, o aquecedor eletrico no quarto, até o luxo! de estar sentado sem piolhos, dores de dentes, infortúnios de qualquer ordem, diante de um computador onde posso fazer tanta coisa e aprender também, só tenho agradecer, e a lista dos agradecidos é grande, conhecimento, força de vontade própria, genética, pais, sorte, Deus, sol, admin que escreveu o texto, a telefonica com essa porcaria de internet, que mesmo com preços extratosféricos e um serviço de má qualidade, mas mesmo assim funciona por hora, um salve pro tio obama que está me lendo agora, um abraço pro meu pai,um beijo pra minha mãe, minha mulher e meu cachorro!
Realmente comecei meu dia bem, graças ao passado... e a tentar entender como ele era... finalizando... Deus me livre dele (mesmo sendo agnóstico), estou muito bem aqui agora no presente! rolleyes
Conrado em 02 de agosto de 2013 às 03:49:32»
O que será que o pessoal do futuro vai pensar da gente?
avatar
Roberto 100 em 01 de agosto de 2013 às 23:27:21»
E assim caminha a humanidade. lol
Muito legal o post sem hipocrisia da minha parte.
avatar
Luiz Felipe em 01 de agosto de 2013 às 22:57:57»
Vamos ver se a humanidade vai continuar melhorando depois que o oleo negro acabar daqui a ~25 anos. Com muito pouca energia, teremos que ser muito mais ageis para sobreviver.
De qual lado dos 4 bilhoes de pessoas voce vai estar, do lado que vai deixar de existir até 2060 ou do outro lado, a chance é de 50%, pois o planeta lotou e só cabem mais ou menos 3 bilhões de pessoas decentemente.
A menos que a tecnologia nos salve denovo.
avatar
xandy46 em 01 de agosto de 2013 às 22:48:28»
Demorô para parecer um religioso militante melindrado. A pessoa tem uma crença baseada na idade das trevas e quer dar lição de história. Fala em profundidade e está se afogando no poço raso da religião com boinhas nos braços. Isso é o que pode ser chamado de criancice.

Claro que as instituições religiosas têm mérito e parte em ALGUNS avanços, afinal são parte ativa da sociedade e por muito tempo mantiveram (e mantém) instituições de caridade, que são sustentadas pelas doação e pelo trabalho alheio. De doação em doação a igreja se tornou um império devido a fé de pessoas ignorantes. O velho truque de gozar com o pau dos outros. A religião tem muito mais demérito do que benefícios na evolução humana e se dependesse das suas leis a humanidade não teria alcançado ainda a revolução industrial.

Quem é que pode falar em credibilidade quando não tem como provar a existência de um ser que venera? Quando perguntam diz que a prova é a sua fé, o mesmo círculo vicioso do homem que criou deus que criou um bando de bobos que criaram deuses que criaram... simples assim.

Tenho nojo destes crentes chatos que se acham os donos da razão e que criticam nos outros aquilo que eles mesmo fazem. Intolerantes idiotas que vivem glorificando seu deus por qualquer coisa e que perdem a estribeira quando escutam um argumento inteligente e que demonstra o quanto são bobos.

Só concordo com uma frase auto referente: A idiotice e a estreiteza de pensamento, esses sim, são fortes candidatos ao título de "origem de todos os males".

Cresça criatura! ma ma ma
avatar
Politico Honesto em 01 de agosto de 2013 às 22:44:29»
Toki wo koete kinou no jaaku.
Página 1 de 2 (69 comentários)
« Ant. | Primeira | 1 | 2 | | Última | Prox. »