Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Isabela em 29 de outubro de 2013 às 21:55:56»
Impressionante.
avatar
Nordestino em 29 de outubro de 2013 às 21:01:47»
tinha hora que doia....aposto
avatar
Nordestino em 29 de outubro de 2013 às 21:01:13»
a criança âs vezes estava com vontade de tapar seus ouvidos sensíveis...ela esta gostando....mas tinha hora que dois ...aposto
avatar
Lee em 29 de outubro de 2013 às 20:00:08»
Poxa que lindoooo.
Se eu cantar p minha filha ela chora de desespero cry
avatar
Cheat em 29 de outubro de 2013 às 18:13:24»
São filhotes de humanos, as reações/emoções serão humanas. O cerne é em todos, mas uns tem certas ramificações mais desenvolvidas que outros. Bonito, de fato, mas não miraculoso ou impressionante ou anormal. Apenas bonito.

(eu nem vi o vídeo, talvez o faça mais tarde)
avatar
Redação em 29 de outubro de 2013 às 18:06:44»
Que lambança?
Tyr 100 Logar em 29 de outubro de 2013 às 17:47:33»
Luisão, volta pra cerveja! Vodka tá te fazendo mal.
Olha a lambança que tu fez aqui!
avatar
Redação em 29 de outubro de 2013 às 15:08:59»
Sim, De Maria, lógico que desde o ventre a criança pode sentir estímulos, mas uma reação condicionada a um espasmo ou dor não tem nada a ver com emoção. Uma coisa é uma coisa e outra...

Ainda que sensações como, por exemplo, dor física e agonia pareçam muito próximas, não estão. A primeira, basta estarmos vivos para sentir e já a segunda temos que entender o conceito de aflição ou medo para ter uma percepção da primeira.

Outra coisa tonta é esta mania do senso comum imiscuir-se em assuntos polêmicos com argumentos utópicos, falsos sentimentalismos e afirmações inconsistentes de que um feto sabe exatamente que está sendo abortado. Ser contrário ao aborto com argumentos sólidos, inclusive os religiosos, é muito bacana, mas apelar para o sentimentalismo barato soa mais a uma tragicomédia sem-graça do tipo B.

Não o bebê não está agradecendo o médico por ele estar salvando sua vida. Na verdade os dois últimos casos que apareceram na rede sobre o assunto mostram a mesma coisa: um médico fazendo uma cesariana. São fotografias evidentemente bonitas que convidam à reflexão, mas romantizar e criar dramalhões inventando contextos onde estes não existem é bobagem.

Lógico que uma criança que nasce em um lar cheio de amor e carinho tenderá a maiores probabilidades de ser mais calmo e mais amável -ainda que não seja uma regra-, e vice versa. Mas isso não tem absolutamente nada a ver com o assunto.

Abraços fraternos!
avatar
Angelina em 29 de outubro de 2013 às 14:41:57»
Que curioso!
avatar
anarosa em 29 de outubro de 2013 às 11:38:58»
Vi o vídeo aqui no trabalho e tive de levantar da mesa e correr para o banheiro pra chorar... Meu Deus! provavelmente o vídeo mais emocionante que já vi! cry
Kalebi em 29 de outubro de 2013 às 11:31:52»
PQP, alguém explica para este De maria o que significa empatia, por favor.
avatar
xandy46 em 29 de outubro de 2013 às 11:25:31»
Putz, De Maria vergonha alheia viu. mrgreen
avatar
Elbereth em 29 de outubro de 2013 às 11:18:22»
De Maria, assim, só pra falar, quando uma mãe fica nervosa, é normal diminuir o sangue que vai para o feto, por questões fisiológicas, e não emocionais.

Ainda que bebês possam sentir o que as mães sentem, e ter esse elo de empatia grande, geralmente reagem à expressões e sinais corporais que as mães tem e as crianças aprendem a interpretar como ruins.

Esse caso é realmente diferente porque criança não costuma ter esse choro "tranquilo" reagindo apenas à palavras que ainda não entende, a uma melodia que geralmente ainda não associaria com tristeza, porque é algo meio cultural.

E, em relação ao feto que segura o dedo do cirurgião, imagino que você já tenha tido contato com bebês? Recém nascidos, então, fazem muito isso... você coloca qualquer coisa em contato com a mãozinha deles e é reação fechar a mão. Qualquer coisa. Dificilmente aquela cena é um agradecimento, antes uma reação.
Lilás em 29 de outubro de 2013 às 09:51:56»
E a partir de quantos anos isso seria possível? Lembro que meu irmão de 3 anos chorava ao ouvir uma música que tocava no rádio na época, e dizia que "doía o coração".
avatar
Politico Honesto em 29 de outubro de 2013 às 09:36:51»
Bebês.