Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Creide em 13 de março de 2014 às 16:45:11»
Sofri muitas injustiças em minha vida, mas tive o privilégio de ver algumas dessas pessoas más e tendenciosas serem castigadas pela vida de forma tão perfeita, que penso ser inútil e desnecessário pensar em vingança pessoal, visto que a Vida já faz o seu papel de corretor, criando situações em que o algoz se vê reparando seu erro ou o recebendo em si mesmo.
Como exemplo cito uma gerente arrogante, orgulhosa e grosseira com seus subordinados, dando mais valor à aparência física e status que ao produto do trabalho executado. Sofreu um acidente de carro tão grave voltando a ser um bebê e dependente de sua mãe para tudo. Perdeu a inteligência e seus altos cargos tão valorizados, tendo como terapia ocupacional a confecção de doces. Não consigo pensar em algo tão perfeito para dobrar o orgulho e a arrogância do que tirar-lhe o seu motivo de orgulho, fazendo a pessoa reiniciar seu ciclo de aprendizagem e crescimento.
Conclusão: vingança pessoal é inútil. Melhor perdoar logo e deixar que a Vida se encarregue de julgar e punir.
avatar
Haiduqque em 15 de fevereiro de 2014 às 15:15:43»
Nunca senti que alguém se vingasse de qualquer ato negativo que eu tenha praticado. Talvez porque:
- sempre fui perdoado,
- ou os atos não foram assim tão importantes para serem dignos de ser vingados,
- ou sempre fui totalmente insensível a eventuais vinganças que as "vítimas" perpetraram.

Poderia concluir que vingança não é o melhor método para desagravar um mal, mas sei que há quem pense o contrário - as vítimas.
Eu, por exemplo.
Quando sou a vítima penso sempre, sempre em vingança. Servida fria.
Depois penso melhor e concluo que fria, não - gelada!
É porque têm de ser servidas geladas que tenho diversas vinganças preparadas há anos, esperando ser executadas.
Ao fim de tanto tempo, perdi o rasto a esses bandidos. Já nem sei onde vivem e se estão ainda vivos. Sorte a deles!
zé rosquinha em 15 de fevereiro de 2014 às 14:56:57»
A vinguança é tipo vc não gostou o que aquele outro fez e quer ensinar uma lição para o tal que fez isso,mesmo assim vou para o antigo ditado popular-a vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena.
avatar
KaiserThel em 15 de fevereiro de 2014 às 13:07:48»
Minhas vinganças nunca saíram da fase de planejamento!

Mas as que saíram só renderam em trocos maiores ainda!
avatar
PadreTorque em 15 de fevereiro de 2014 às 10:51:22»
Alivia.... Pior que alivia, sim...
Me lembro, nessas horas, os casos de pena de morte em cadeira elétrica, nos EUA...
O cara matou... Foi preso e morre eletrocutado !
Simples, assim !!!!
A vingança foi feita e, pelo que eu sei, TODOS os familiares da vítima sentiram-se aliviados...
Quer maior prova que a vingança alivia ?????
wink
General Failure em 15 de fevereiro de 2014 às 10:39:53»
A vingança é sim necessária. Nem que seja involuntária!
Sempre faz bem a nós ver alguém que nos prejudicou se ferrar de alguma forma.
Talyta em 15 de fevereiro de 2014 às 09:39:58»
É um tipo de alívio, sim. Um tipo de "fazer justiça com as próprias mãos" pra algo que te fez mal, de certa forma, e que você dá o troco depois. Dar o troco em algo que aconteceu e você não pode deixar barato, porque aquilo vai te corroendo e você se sente injustiçado. O ser humano é vingativo, e a vingança alivia, sim.
avatar
Politico Honesto em 15 de fevereiro de 2014 às 01:18:11»
O tema combina perfeitamente com o meu pensamento sobre a morte do cinegrafista. Mais que justiça, houve toda uma pressão – da mídia, com o "apoio" do Governo – para que a punição dos responsáveis satisfizesse um desejo de vingança, porque "alguém do meio deles" foi morto. Se fosse um indivíduo "comum", um mero desconhecido, não fariam todo esse estardalhaço e o assunto teria morrido no dia seguinte. Já houve dezenas de incidentes – alguns que resultaram em morte – em manifestações, mortes acidentais ocasionadas por rojões, foguetes e em nenhum deles o ocorrido ganhou tamanho destaque como o de agora. Se os responsáveis pela morte do cinegrafista deveriam mesmo ser punidos? Sim, pois mesmo que suas ações não resultassem em morte, lidaram com algo que coloca em risco a integridade física de diversas pessoas. Pelo que me lembro, alguns casos envolvendo morte provocada por explosivos do tipo foram tratados como homicídio culposo – e não doloso, como foi interpretada a morte do cinegrafista. Além disso, até a Dilma fez questão de apoiar, dizendo que a Polícia Federal participaria do caso e, se preciso, pediriam ajuda até da Polícia Internacional. Até que ponto a mídia e o Governo pensam que a população é burra?
avatar
100Nossao em 14 de fevereiro de 2014 às 23:36:17»
Eu achei muito interessante o que o Xandy46 falou: que as penas são um tipo de vingança. Sempre achei que os dois pilares de um sistema penal deveriam ser reparo e desmotivação. Reparo, sempre que possível, para tentar deixar as coisas como estavam antes. Desmotivação, para que nunca valha a pena cometer um delito. Por exemplo, a pena por queimar um colchão deveria ser pagar um colchão, conserta-se o dano causado e o perpetrador vai pensar antes de fazer outra vez. Queimar uma mata deveria ter como pena repor a mata. Com dinheiro, ou com trabalho de replantar cada árvore.

O sistema penal brasileiro abusa da prisão e da multa. A prisão deveria ser reservada aos poucos animais (com perdão dos animais) que certamente são um perigo para a sociedade. Manter uma pessoa na cadeia não conserta o dano que ela causou, e segue custando dinheiro do contribuinte. E com certeza colaboram para a reincidência do delinquente.

As multas têm em princípio um mecanismo desencorajador, mas quase sempre não são aplicadas com princípios de reparo (o dinheiro da multa sempre é destinado a outros fins). Basta ver o caso das lombadas eletrônicas que faturam milhões e no entanto as ruas continusm esburacadas. E para continuar criando mais multas os governantes dizem que o brasileiro só aprende quando o bolso dói. Mentira deslavada.

E pior que algumas multas nem são dissuasórias, quando por exemplo o ganho pelo delito é superior ao da multa (políticos sabem muito bem disso). As multas são regressivas, pois ao ter custo fixo, resultam um castigo maior para o pobre do que para o rico.

Por isso há alguns casos em que a vingança poderia ser doce, como por exemplo nunca mais votar em políticos bandidos, como a desgraçada da Dilma. Ou então protestar com toda a força, mas a morte do cinegrafista chegou em boa hora para governo, oposição, FIFA, Globo... só não foi boa para o povo que ao certo está amedrontado.
avatar
LukeSchimmel em 14 de fevereiro de 2014 às 21:23:42»
É igual tentar desenhar a linha entre justiça e vingança.
Matahari em 14 de fevereiro de 2014 às 20:33:54»
O melhor é esquecer o que fez mal. Descobri isso depois que me vinguei e não me senti nada bem depois.
avatar
xandy46 em 14 de fevereiro de 2014 às 20:29:05»
O sistema de justiça é na maioria das vezes uma vingança que outros exercem em nome da vítima, e também a maioria das vezes dista de ser justiça. Até onde somos verdadeiramente responsáveis e imputáveis? Faz sentido castigar sem consertar o que muitas vezes não é possível consertar? Não teria que buscar evitar e ressocializar o responsável, muitas vezes também vítima?
Elson Antonio Gomes em 14 de fevereiro de 2014 às 19:37:27»
Quase esqueci. Outra vingança de que adoro muito é a vingança divina. Vemos no exemplo de que um deputado federal entrou no Ministério Público denunciando a jornalista Rachel Sheherazade de apologia ao crime. Para quem realmente viu o vídeo dela sabe que isto foi uma calunia. Aí logo depois surge que o partido deste deputado federal pode estar financiando os vândalos que participam das manifestações pública, tendo assim sua mão suja de sangue, pois um repórter cinematográfico morreu pq este partido pode ser uns de vários que financia vândalos assassinos.
Para mim isto é uma vingança divina!
Crê quem quiser, quem não quiser não crê. Por enquanto vivemos num país de expressões livres.
Elson Antonio Gomes em 14 de fevereiro de 2014 às 18:47:11»
A única vingança que eu adoro é "Doce Vingança" e "Doce Vingança 2". Ficando com a preferencia do primeiro, pois o segundo achei meio fraco.
avatar
PadreTorque em 14 de fevereiro de 2014 às 18:06:42»
Bem...
A vingança funciona muito bem para quem não tem consciência, ou seja, para aqueles que não possuem aquele gatilho moral que limita as ações e punições.
Geralmente alguém cabresteado pela religião, que fica impedido de avançar por sua própria justiça.
Aï recorrer a um "Deus te dê tudo de volta...!"
wink