Faça o seu comentário

:

:







Comentários

zé rosquinha em 19 de dezembro de 2014 às 11:45:52»
Se quer ajudar colabore, nem sei do que tão falando, nem li e n li muito os coméntarios, pq tem uns que escrevem tanta besteiras em coméntarios grandes, n to falando de ninguém do post
güneş em 09 de abril de 2014 às 20:22:43»
Está certo Brazuka, eu entendi.
avatar
Haiduqque em 09 de abril de 2014 às 01:17:20»
Os pobres são muitos, têm interesses e necessidades diversas e nem todos merecem ser ajudados.
Dentro das minhas possibilidades eu ajudo quem conheço e está próximo. Os desconhecidos distantes, terão de ser ajudados pelos que lhes são próximos.
A melhor forma de ser hipócrita é ficar preocupado com milhões de pobres distantes, mas não ajudar o vizinho ou o conhecido próximo. É uma preocupação estéril, pois não resolve problema nenhum.
avatar
Politico Honesto em 08 de abril de 2014 às 23:51:07»
Lembra um comentário que um professor meu fez uma vez.
rex em 08 de abril de 2014 às 22:08:27»
Isso é incrível isso só mostra a hipocrisia das pessoas, as vezes você tem que gritar para ser ouvido.
avatar
PadreTorque em 08 de abril de 2014 às 21:17:45»
Típico desse povo de merda que habita esse planeta...
Lixo...
:-/
avatar
Brazuka em 08 de abril de 2014 às 21:13:40»
günes, enquanto a gente está vivo, ainda tem tempo de fazer muitas coisas, principalmente por alguém carente e que precisa às vezes, apenas de um riso ou de uma palavra amiga nossa, de força, fé e esperança, pois o amor também é alimento das almas.

Mas, devemos também ter bastante cuidado no trato com certas pessoas, pois não importa quem sejam, aonde estão ou como estejam vestidos... só Deus sabe das intenções sórdidas dos seus corações de pedra e o que se passa pelas suas cabeças, de modo que por isto mesmo, às vezes a gente sendo bonzinho demais para os outros, terminamos sendo ruinzinhos prá nos mesmos. sha
güneş em 08 de abril de 2014 às 20:58:51»
Eu tive uma professora que acolhia moradores de rua para jantar em casa algumas vezes. O marido deixou de se importar depois de algum tempo e até jantava junto. Ele só reclamava do cheirinho deles principalmente quando estava chovendo.
Ela não fazia só isso, também angariava agasalhos e comida para levar nos lugares que eles se amontoavam para dormir, dava jeito de levá-los aos abrigos nas noites frias, cozinhava sopa em panelões..
Ela dava aulas em dois turnos, trabalhava nos asilos durante os finais de semana e...eu aqui, sem fazer nada.
Eu também tenho culpa.
avatar
Brazuka em 08 de abril de 2014 às 20:52:00»
Foi justamente quando morei numa favela que descobrí o real sentido da vida, o valor das coisas, das pessoas; o verdadeiro sentido vivo de solidariedade e mais ainda, de uma maravilhosa "fraternidade" viva e ativa entre todos que se ajudavam e ainda se ajudam mutuamente quando o bicho da necessidade, principalmente "coletiva" pega.

Foi justamente nela que mergulhei de cara numa realidade social que desconhecia e até então ( além do preconceito), até tinha um descabido medo.

Com o passar do tempo, nem sei mais o que é isso ( fiquei curado desse medo à toa) a não ser ainda, da covardia dos que lá chegando em nome do Poder do Estado, além de tocar terror em cima de gente inocente e de bem, via a todos nós como meros marginais quando na verdade não era e nem é bem assim, pois lá como em qualquer lugar existem bandidos. A diferença que existe entre os bandidos da favela, é que quando vão roubar ou delinquir, vão armados de tres oitão, enquanto os bandidos do Poder, fodem meio mundo armados de canetas e tudo no fim termina em pizza! ma
avatar
Anizio em 08 de abril de 2014 às 20:32:49»
O pensamento "politicamente correto" traz em si a hipocrisia da sociedade. Quando se mandam os pobres pro inferno um grande número de pessoas se dói por eles, quando se lhes pede ajuda ninguém tá nem aí. Fo#@am-#@ os hipócritas. Carregar pra casa os miseráveis e os "dimenor" bandidos ninguém quer. Mas meter o pau no governo é mais fácil que tentar criar uma sociedade mais justa através da educação e do exemplo.
avatar
Brazuka em 08 de abril de 2014 às 19:15:50»
Desistí há muito tempo de pelo menos procurar entender o que seja um pouquinho a Humanidade.

Tou indo pela vida, navegando na imensidão deste imenso mar de hipocrisia e se digo isto, é porque depois de andar tanto por aí pelo mundo, o tempo me ensinou.

Nem as críticas boas ou más me interessam mais, esta é que é a verdade e este teu post diz tudo!

Nada de desilusão com a vida, mas a certeza plena desta verdade que dói prá quem descobre isto mesmo ainda pirralho.
Moonwalker (sem logar) em 08 de abril de 2014 às 15:53:27»
Eu nunca tinha entrado em uma favela, até a semana passada. A situação das pessoas me causou um mal-estar tão grande que fiquei um tempo pensando em como a situação deles era tão ruim se comparada com a minha, que eu sempre achei que não era boa.
Aí eu me arrependi de todas as vezes que eu disse que essa gente que usa drogas, que rouba, que pede dinheiro no sinal ao invés de trabalhar, que invade terrenos deveriam sumir.
Que culpa eles tem de estar nessa situação, afinal? Eu já passei fome, já passei vontade, já fiz coisas que não devia... Mas no fim, eu consegui o que alguns chamam de um lugar ao Sol. Não é lá no meio da praia, e tal, mas está valendo.
Por outro lado... Essas pessoas... Olha, as crianças brincam de vender drogas sem nem ter noção direito de certo ou errado. Apenas de realidade, e aquela é a realidade delas. E quem tem culpa? Elas tem culpa? Elas vão crescer e vão transformar em trabalho aquela brincadeira, porque aquela é a realidade delas. E elas tem culpa? Ou talvez a culpa seja um pouco minha?
David Blein em 08 de abril de 2014 às 15:18:21»
Não que eu diga fodam-se o pobres, mas também
não estou no mundo pra ser babá de ninguém.
Só cuidar de mim mesmo e futuramente algum
descendente meu.Cada um pra si.
Aliás eu até ajudo sim, minha doação já ta la com a Dilma.
pede pra ela que tá tudo lá minha doação.
Eu lavo as minhas mãos.