Faça o seu comentário

:

:







Comentários

zé rosquinha em 21 de novembro de 2014 às 17:22:06»
Só li um trecho e votei na segunda opção, e a opinião e dele, do Zé Esquerdinha, do meu vizinho, do jornaleiro, do mendiguinho da barba loira até o joelho, de todos.Ou seja cada um tem sua opinião.
Aurelio em 02 de maio de 2014 às 14:42:34»
Que mulherzinha mais escrota. Pqp!
Monster em 02 de maio de 2014 às 12:37:05»
A matéria ficou legal, mas nem um pouco imparcial em alguns pontos >>> está mais para uma crônica mastigada que ronda pelo jornalismo com frequência, pois o autor ataca várias vezes a PESSOA(a filósofa) mais do que a as IDEIAS dela.
Para... que?
Eita, ad hominem até aqui...?
Mais tosco ainda foi colocar uma enquete assim, desse nível, como se quisesse corar a matéria com algum triunfo - ficou no mesmo patamar da Chauí com isso.
Cadê a seriedade na matéria inserindo deboches?
Por que ela zoou, devesse ficar no mesmo nível dela?
Quando Aristóteles disse que todos somos animais políticos, acho que muitas pessoas levam o termo animal ao pé da letra. Se a Chauí pisou na bola (e pisou feio, verdade), argumentar com fúria debochada, para nada serve não. Ironia vale nas críticas, mas com freios.
A matéria tem argumentos econômicos e sociais SIM (eu curti), pena que tem ad hominem (não curti).

Monster.
lorena em 29 de abril de 2014 às 11:53:48»
A questão é, porque o MP ainda não entrou contra ela por crime de ódio?
avatar
Tchoopo em 29 de abril de 2014 às 10:09:04»
Independente das classes sociais e status o ser humano é um ignorante por natureza. Resta a nós buscar na criação da sua família valores diferentes do que o mídia e a grande massa empurra goela abaixo, tendo como exemplo a nossa escória política que governa o país.
avatar
PREDADOR em 28 de abril de 2014 às 07:47:45»
Roooaaarrr... CONTA OUTRA...
Após instilar VENENO PURO contra a classe média e por isso ser alvo de matérias dos meios de comunicação a lindona quer vir explicar o "EU TENHO ÓDIO DA CLASSE MÉDIA BRASILEIRA"... Dizer que pinçaram suas palavras??? Você, sua CADELA RAIVOSA (fêmea de CÂO raivoso) falou vários minutos e por diversas vezes frisou "TENHO ÓDIO DA CLASSE MÉDIA BRASILEIRA"... Pode tentar justificar e amenizar o que quiser e isso não vai mudar tuas palavras.. TUAS... Você frisou muito isso...
NAZISMO (Se diziam Nationalsozialismus) - CARRASCOS NAZISTAS:
Se chegarmos à dominação total que o PT quer implantar, com certeza você será uma verdadeira GUSTAV FRANZ WAGNER... Lembrando que Hitler iniciou sob a bandeira do Nacional-Socialismo (Nationalsozialismus-em Alemão). Não podemos deixar que esse partido podre com pessoas com ódio contra a população brasileira (classe média = 60% da população)se mantenha no poder.
Se não me engano isso é incitação ao ódio e que pode sim levar à violência... Discriminação... etc... CADÊ O MINISTÉRIO PUBLICO?
GUSTAV FRANZ WAGNER -Sargento da SS e subcomandante no Campo de Sobibor: Ele instilava ódio aos judeus (Classe média também???). Seu maior prazer era arrancar crianças do colo das mães e pelos pés arrebentar as cabeças nos postes... Isso será ódio??? Vejam a fisionomia transtornada dessa CADELA RAIVOSA que se tivesse oportunidade, imagina o que ela faria.
avatar
LukeSchimmel em 27 de abril de 2014 às 23:18:06»
Ela parece... deselegante.
.Tyr em 27 de abril de 2014 às 20:04:44»
Grato por me caguetar! Aproveita e posta o meu endereço.
.Tyr em 27 de abril de 2014 às 19:34:58»
O processo beligerante começou?
Cheguei tarde. Tinha uma consideração a fazer, mas deixou de ter sentido.
Vá lá. Quem tiver mais argumentos que vença.
E isso é só o começo.
Matahari em 27 de abril de 2014 às 19:17:23»
O extremistas, como lembrou o Vandré, são antidemocráticos sempre, independente se da esquerda ou direita.
Pela proximidade da copa e das eleições eles se tornaram mais agressivos na rede.
De 3 amigos radicais, fui excluída por um, excluí outro e o terceiro e eu nos olhamos torto quando estamos on line. Desisti de debater e evito os radicais.
A militância se tornou extremista, simplista, grotesca. Já vemos muitas publicações de factoides, boatos caluniosos, incentivos à agressão verbal ou ao patrimônio.
Com o extremista não há embate, troca de ideias ou argumentação válida. Não é possível uma conversa educada, eles sempre estarão prontos a martelar a mesma resposta e quando forem desarmados de alguma forma, tentarão destruir a pessoa e não o argumento.
Repetem um mantra já decorado e que enche o saco de qq um.
Fanáticos de qq espécie são um atraso e não e disso que precisamos.
Jorge Augusto em 27 de abril de 2014 às 18:36:35»
Filósofa é brincadeira né? É verade mesmo? Kkkkkkkk. A filósofa necessita é de uma camisa de força e de uma focinheira. Filosófa petista é um belo oximoro.
Sylvinha em 27 de abril de 2014 às 17:41:37»
Marilena costuma fazer palestras estudantis onde é considerada uma importante intelectual. Para o limite cognitivo petista talvez seja. Quando ela demonstra esse ódio pela classe média, a “intelectual” nos revela a falta de moral ética de seus pensamentos. Como é impossível igualar o país no nível dos ricos, ela crê na igualdade da miséria. Uma idiota!
José Maria em 27 de abril de 2014 às 17:31:46»
Infelizmente esta mulher da classe média provavelmente se ressente da falta de muita coisa: sanidade, inteligência, educação... mas eu creio sinceramente que não é só isso que lhe faz falta não.
Luciano Martins em 27 de abril de 2014 às 16:53:09»
O meu comentário é paradoxal, mas realmente não tenho nada a declarar sobre essa louca, que cospe no prato que come.
George Fox em 27 de abril de 2014 às 16:40:20»
A impostura intelectual, a desonestidade de reflexões imbecis de chauí são conhecidas de velha data. Ela já foi acusada de plágio por José Guilherme Merquior e plagiou também textos do ex Claude Lefort com a pífia justificativa que “entre lençóis seria difícil saber o que é de quem". O que podemos esperar de uma pessoa que age assim?
David Blein em 27 de abril de 2014 às 16:31:29»
Meu ódio ao PT é tamanho que recentemente rompi relações de amizade com um amigo.
Ele é petista militante orgulhoso, adquiri nojo dele, e abertamente disse o motivo de nao ir com a cara dele, e nao descarto a possibilidade de uma outro ocasiao partir pra ignorancia.
Neuza de Lima em 27 de abril de 2014 às 16:21:09»
Só mais uma doida que acha que Marx é deus e que ainda está vivendo na primeira revolução industrial, só que com o salário público atual, lógico.
Rogério Soares em 27 de abril de 2014 às 15:38:26»
Na boa? O ódio é recíproco.
Hector em 27 de abril de 2014 às 14:18:00»
O mais incrível disso tudo, é que tem alguns néscios descerebrados que levam essa mulher a sério. Absurdo!
Edna Velho em 27 de abril de 2014 às 13:59:09»
Só uma pergunta: fomentar o ódio contra um grupo não é mais crime? Está mais do que na hora do Ministério Público Federal deixar de se esconder e começar a enquadrar essa gente podre!
geovani em 27 de abril de 2014 às 13:47:58»
O que mais me chocou foi ver a plateia imbecil, qeu com certeza não é classe baixa e nem alta, aplaudindo esta mulher. Uma manada de asnos aplaudindo uma grande filósofa. Eu acho que ela primeiro tem que ter um cérebro.
Juninho-CE em 27 de abril de 2014 às 11:39:31»
As pessoas que veneram este ódio sem sentido só podem ser mentes sem pensamento próprio, que são movidos apenas pela inconsciência do acondicionamento repetitivo. Uns imbecis e ignorantes como em geral costumam ser os petistas.
geovani em 27 de abril de 2014 às 11:22:13»
Uma grande escrota ignorante.
Ronaldo em 27 de abril de 2014 às 10:57:22»
Aliás, espanta que uma exposição de idéias de caráter provocativo e instigador seja tomado aqui pelos internautas como demonização. Alto lá, a idéia da Chauí, certamente, não é demonizar a nós enquanto classe, mas, sim, provocar o efeito espelho para que possamos, quem, sabe, burilar nossos conceitos. Mas tem gente aí que não suporta espelho...
Ronaldo em 27 de abril de 2014 às 10:51:44»
A filósofa está corretíssima, somente reconheceu expôs algo que é óbvio e de fácil aferição. Em verdade, a classe média está muito mais próxima, em termos econômicos, da base da pirâmide social de que de seu topo. Mas em termos políticos atua como se estivesse no topo da pirâmide. E em termos culturais, então, a classe média é de uma tristeza só! Muito verniz e um poço vazio!
Vandré em 26 de abril de 2014 às 22:19:52»
Esta aí poderia se juntar com Olavo Carvalho e Valesca Popozuda e cometerem um haraquiri. Seriam 3 pesos-mortos a menos para falar bobagem. Marilena da extrema esquerda, Carvalho da extrema direita, Valesca da extrema pobreza de espírito e todos extremos da ignorância. Até em filósofos somos motivo de vergonha mundial.
avatar
PREDADOR em 26 de abril de 2014 às 16:21:23»
Roooaaarrr... ELIMINAÇÃO E EXECUÇÃO dos aliados.
Militontos.... Todos os governos comunistas/socialistas eliminaram sumariamente seus aliados mais próximos.. ELIMINARAM os mais barulhentos e valentões pra não correrem riscos de serem questionados. ...
Uma cadela raivosa assim é temerária.
Ela não passa disso (CADELA RAIVOSA) e demonstra toda sua ira conta uma classe que pensa. .. e pra ela pensar contra esse partido podre (PT) é de gerar ira. Só eles pensam e podem pensar. Vocês até tem direito de pensar MAS só se for na cartilha velha e carcomida deles. NÃO SE DERAM CONTA QUE ATÉ A RÚSSIA ESTÁ ABANDONANDO ESSE SISTEMA E SE TORNANDO CAPITALISTAS... JÁ HÁ GRANDES FORTUNAS LÁ...
Ví alguns comentários abaixo "tentando" justificar essa ira alegando as divisões de classes... Desde a idade da pedra já haviam classes e sempre existirão. Não é achatando e comprimindo para haver apenas 1 classe (Uma???? sempre serão duas), que irá resolver... Disse DUAS porque a pequena parte dos governantes nesse sistema idiota VIVEM EM PALACETES, COMEM DO BOM E DO MELHOR enquanto, você idiota desse sistema, recebe migalhas e se reclamar é ELIMINADO.
SEMPRE HAVERÁ, NO MÍNIMO, DUAS CLASSES.
O que deve haver é respeito entre as pessoas, independente da classe que se encontra.
avatar
PadreTorque em 26 de abril de 2014 às 15:05:28»
Se é PT já está explicado...
:-/
avatar
Marya em 26 de abril de 2014 às 14:23:13»
Marilena Chauí é professora universitária. Marilena Chauí é, e sempre foi, de classe média. Marilena Chauí é do PT, aquele partido que se diz dos trabalhadores e, portanto, é contra os ricos (por que têm dinheiro) e a classe média (por que, além de um relativo conforto material, tem valores morais) Marilena Chauí não gosta dos valores da classe média (ou seja, da sua classe) por que esses valores vão contra os valores seus e do PT, ou seja, são valores centrados na existência da família tradicional, no trabalho honesto para conquistar bens e conforto, no combate ao crime, que não é visto pela classe média como “culpa da sociedade” e, sim, como culpa do criminoso, etc., etc. Já o PT e a Marilena Chauí acham que se alguém fica bem de vida com o seu trabalho é por que “explorou os pobres”. O PT e a Marilena Chauí chamam os valores da classe média de “valores burgueses”. Para o PT e a Marilena Chauí, um pobre que rouba é “vítima da sociedade”. Para eles o aborto é uma “questão de saúde da mulher” (!), Para o PT e Marilena Chauí uma pessoa religiosa – outro valor da classe média – é um fundamentalista reacionário e racista (a menos que vote no PT, daí vira um “progressista”) Finalmente, para Marilena Chauí, um pobre que trabalha, estuda e chega à classe média, ou fica rico, sem roubar ou se filiar ao PT – que vem a ser virtualmente a mesma coisa – é um “maldito explorador capitalista que traiu a sua classe”, a menos – claro – que contribua em dinheiro com as campanhas do PT. Daí, segundo Marilena Chauí e o PT ele se transformará em um empresário moderno, consciente, e atento aos problemas sociais...
João em 26 de abril de 2014 às 14:01:04»
Assim que li o título já sabia que era da Chauí.

Tive a infelicidade de conhecer seguidores dela, um bando de alienados. Pior é ela própria, marcou uma discussão na Poli (Escola de engenharia da USP), como bom politécnico, estava lá, assim como uns outros 800~1000 alunos, a desgraçada resolveu não ir na discussão, sumiu e não apareceu na USP, mesmo ganhando salário para ter ao menos se dedicado a Universidade.
Euzim em 26 de abril de 2014 às 13:23:53»
Admin, recomendo a leitura do texto deste link:
http://jornalggn.com.br/fora-pauta/desvendando-a-espuma-o-enigma-da-classe-media-brasileira

Só para aguçar a curiosidade, segue o primeiro trecho.

"A primeira vez que ouvi a Marilena Chauí bradar contra a classe média, chamá-la de fascista, violenta e ignorante, tive a reação que provavelmente a maioria teve: fiquei perplexo e tendi a rejeitar a tese quase impulsivamente. Afinal, além de pertencer a ela, aprendi a saudar a classe média. Não dá para pensar em um país menos desigual sem uma classe média forte: igualdade na miséria seria retrocesso, na riqueza seria impossível. Então, o engrossamento da classe média tem sido visto como sinal de desenvolvimento do país, de redução das desigualdades, de equilíbrio da pirâmide social, ou mais, de uma positiva mobilidade social, em que muitos têm ascendido na vida a partir da base. A classe média seria como que um ponto de convergência conveniente para uma sociedade mais igualitária. Para a esquerda, sobretudo, ela indicaria uma espécie de relação capital-trabalho com menos exploração."
avatar
Haiduqque em 26 de abril de 2014 às 12:38:35»
Seja qual for o plano para dominar o próximo, é necessário vestir esse plano de boas intenções.
Não adianta tentar resistir - os estúpidos, às costas dos indiferentes e com a ajuda dos prepotentes, estão a cada dia mais aptos a dominar o mundo.
Qualquer ser racional e lúcido sem desejos de domínio tem de fingir estar morto, ou então será esmagado.
Isabela em 26 de abril de 2014 às 10:50:34»
Estamos caminhando para um Estado totalitário.
Matahari em 26 de abril de 2014 às 10:27:58»
Opressores e oprimidos.
O PT continua na estratégia de divisão para tornar o Brasil igual à Venezuela, Cuba....
Antes o discurso era contra os ricos, agora é contra a classe média.
Ela endoidou faz é tempo, quem não lembra da frase: "Quando Lula fala o mundo se ilumina"?
O socialismo é assim: de um lado pobres e ignorantes vivendo de ajuda do governo e do outro, ricos e poderosos (governo e aliados)e ela escolheu o dela.

E os quase 4 meses do meu salário em impostos são usados pra pagar o salário dessa pensadora e filósofa??

Aquela outra pensadora, do mesmo nível da Chaui diz: beijinho no ombro só quem fecha com o bonde..
Roger Laz em 26 de abril de 2014 às 09:51:06»
Que nojo! Se o comunismo matou muito mais gente que o nazismo, apologia ao comunismo também devia ser considerado crime com sentença prevista de deportação a escolha entre Cuba e Coreia do Norte. Pergunta para essa miserável se ela gostaria de morar em Cuba.
rex em 26 de abril de 2014 às 04:45:47»
O engraçado era que no primeiro vídeo tinha um segurança ali do lado dela, todo esse ódio e sem a classe média ela não teria nem a devida proteção.
.Tyr em 26 de abril de 2014 às 03:33:38»
Um adendo; A única classe social que tem visão ampla do que de fato acontece aqui é justamente aquela que paga a maior parte da parcela de impostos e que por sua vez sustenta a maquina do estado. A classe média. As classes ‘C’ e ‘A’ não. A primeira nem sabe do que se trata e a segunda faz vista grossa já que a escala de oneração pra ambas é mínima. O que fazer com quem sabe a verdade e atrapalha? Simples, desacredite, tire a credibilidade, ridicularize faça parecer inútil e por fim, isole. Essa é a estratégia agora. E creio que vem chumbo grosso por ai.

Preferia estar errado, mas acho que não, Edgar.

“Se quiser criar inimigos basta apenas dizer a verdade” – M.L. King.
Edgar Rocha em 26 de abril de 2014 às 02:04:29»
Tyr, gostei muito do post. É um documento com a linguagem mais direta possível sobre os mecanismos de dominação e subordinação. Quanto a aplicabilidade do mesmo ao pensamento da Marilena Chauí, acho que deveríamos pensar que o que ela fala (a extratificação social) nunca foi novidade. Não é invenção dela. Apenas ela propõe um conjunto de critérios pra definir a classe média. O incômodo gerado aqui, advém da detecção dos pontos que, segundo ela, definiriam a classe média nacional. De fato, achei o raciocínio incompleto. Eu acredito que neste processo todo há uma variável que ordena a mobilidade social a qual ela não detectou ou omitiu: a lógica da ruptura, como exigência pra uma inclusão total e até mesmo pro usufruto dos direitos adquiridos, os quais ela tanto enaltece. Ou seja, é preciso deixar de ser 'proletário' na alma também, caso contrário as próprias instituições tratarão de domesticar sua conduta, a fim de que possa ser merecedor do espaço que conquistou. Esta 'domesticação', ao meu ver às avessas, já que as premissas as quais ela relata colocam a classe média em rota de colisão com os princípios de civilidade, consiste numa negação de suas raízes, de seus valores e, muitas vezes, de sua própria cor de pele. Estas coisas parecem que não são levadas em consideração, restringindo o raciocínio à caricaturização total da classe média. Contudo, se a intenção é criar um ponto de referência, tá valendo. Quem nunca viu alguém com a postura relatada por ela? A questão é: todos aqui enquadrariam-se neste estereótipo? Creio que não! Com certeza, não. Lembrando que ela cita a realidade do proletariado europeu (que nunca se definiu como classe média) nos anos 60 e 70, sendo este muito próximo do padrão de vida dos que se eriçaram com a crítica à classe média. Enfim, são todos 'classe média' nos padrões dela? E, considerando que um dos critérios para sê-lo seria a detenção do "poder ideológico", quem de nós se acharia parte desta classe? Talvez ela esteja falando daqueles que vivem uma relação simbiótica com os meios de comunicação monopolizados, influenciando e se deixando influenciar convenientemente pelos valores difundidos por estes. Neste sentido, o texto que você apresenta como contraponto dialogaria muito mais com o comportamento da mídia PiG e seus seguidores. Estes detém o poder de gerar a discórdia a qual você o Xandy se referem (e o usam). Refutar de forma agressiva, tanto a análise quanto a discussão, se apegando ao uso que a filósofa faz de uma terminologia, simplesmente por esta compor nosso imaginário, de forma acrítica, é um tanto mediano, não?
Davi em 26 de abril de 2014 às 01:13:30»
Quando eu era moleque, minha família era meio pobre e eu tinha preconceito contra classe média. Pior que nem era influencia de meus pais. Quando fui crescendo, vi que era a inveja que me fazia preconceituoso. Ainda hoje não sou de classe média, mas estou chegando lá, e vejo que quem não gosta é porque é preguiçoso (de trabalhar duro para chegar lá) e invejoso.
.Tyr em 26 de abril de 2014 às 00:37:54»
O que o Xandy diz, mas em outras palavras. A tática é velha e funciona até hoje. Merecia ser publicado aqui. Elucidativo e didático.

sinergiapura.blogspot.com.br/2012/09/como-controlar-escravos-willie-lynch.html

(Quando é pra brincar eu brinco, quando a coisa fica séria é outros quinhentos.)

Boa noite.
Silvio Ogata em 26 de abril de 2014 às 00:13:14»
Respeitando as opiniões...
Devemos aceitar o que vem de cabeças pensantes e filosóficas. Afinal são do mesmo nível da pensadora contemporânea Waleska Popozuda.
Elson Antonio Gomes em 25 de abril de 2014 às 22:08:11»
Faço das palavras do "Xandy46" as minhas, e acrescento a questão de que classe pertence esta senhora. Professora, da USP. Que classe que ela pertence?

E não sei se já disse isso aqui em algum outro comentário, mas depois que vi o vídeo de um imbecil andando atrás do ministro Joaquim Barbosa falando um monte de besteira, pelo menos para mim não há outra conclusão de que o PT deixou de ser um partido politico e virou uma 'seita'. E uma 'seita' muito perigosa com seus capachos (PSOL, PC do B, e outros) que fazem tudo por eles!
Edgar Rocha em 25 de abril de 2014 às 22:06:47»
Admin, convenhamos. Não é bem uma enquete. É o que penso também. Agora, eu assisti aos dois primeiros videos. O que vi na verdade foi um esforço pra definir o que seria classe, desconsiderando os critérios aos quais o senso comum utiliza para tal. O que a Chauí faz é conceituar a classe média como categoria social de forma ampla e ideológica. Ela refuta a "expansão da classe trabalhadora" como uma espécie de ascenção à classe média, uma vez que os referenciais de ambas diferem completamente. Pra ela a aquisição de bens de consumo e de direitos não torna ninguém parte da classe média, senão algo que potencialmente oferece riscos ao conjunto ideológico da mesma. Eu não concordo com tudo (justificar aqui seria algo extenso até pros meus padrões de prolixidade). Desconsiderando a enorme má vontade que tenho com a USP (classe média demais pra mim), a crítica da Marilena Chauí não é de se refutar tão facilmente. Pena que, pelo menos nos vídeos que vi, ela não estenda seu raciocínio para o meio acadêmico do qual ela advém, muito menos questiona a violência ideológica e simbólica que é produzida justamente ali, sem a qual a violência fora do campus não teria respaldo teórico. Mesmo que ela negue a responsabilidade acadêmica na disseminação desta mentalidade brasileira, deveria ter apontado a carência de produção sobre o tema, bem como a inexistência de uma autocrítica que só legitimam a desconfiança aqui apresentada. Fica, ao menos pra mim, um certo ranso corporativista de que o problema é sempre "da sociedade" e não do monte Olimpo onde ela leciona.
Rogério em 25 de abril de 2014 às 21:56:27»
o comunismo é lindo na teoria, na prática não... pergunta pra ela UM lugar onde este regime é aplicado com sucesso, ou ao menos sem fracasso. Não assisti o vídeo, e nem pretendo... mas em qual classe ela se enquadra, classe média ou alta? classe baixa acho q não é, pq tah usando umas jóias bem exuberantes...
avatar
xandy46 em 25 de abril de 2014 às 21:31:47»
Isso aí é uma estratégia antiga dos comunistas: fomentar a discórdia. Semeiam o ódio onde não existe e potencializam onde já tem para multiplicar a “luta de classes” e enfraquecer a base da sociedade com o objetivo de dominá-la mais facilmente. Os políticos e eleitores do sudeste para baixo estão todos contra a corja petista, mas divididos em seus objetivos, o que é uma beleza para garantir uma reeleição mesmo que a presidanta tenha um número recorde de rejeição.

O que vem depois disso? A desmilitarização e a consequente desmoralização do exército (o exército só tem munição para uma hora de guerra). Alguém tem que dar um jeito de parar isso. ma ma ma
avatar
Angelina em 25 de abril de 2014 às 20:10:01»
Eu não sei mais o que pensar sobre nenhuma análise\filosofia sociológica. A internet consegue cutucar a minha cabeça tanto quanto os meus professores.
A idade média, digo, classe média não existe. Mais simples para minha cabecinha.
.Tyr em 25 de abril de 2014 às 19:32:07»
Fazer aniversário não te fez muito bem. Cadê a enquete?

Bem, (cof, cof) poderia fazer uma dissertação sociológica aqui nos melhores moldes de FHC e fazer meio mundo dormir com base nas instâncias em questão, mas a analise profunda geraria um debate enfático nos primórdios divisórios das castas sociais e isso arregimentaria (exito em usar o termo) rufiões intelectuais das mais variadas estirpes, outrossim, senão quiçá, arraigados nos seus galhos e que deles não largam nem com reza brava. Então, sem deixar duvidas sobre meu ponto de vista, gostaria de dizer; NÃO SEI!

Fui claro?