Faça o seu comentário

:

:







Comentários

caiopa em 18 de outubro de 2014 às 09:52:17»
Se eu morrer um dia, vai ser como eu quero.
avatar
headbanger em 15 de outubro de 2014 às 14:07:25»
Sylvinha, muitos blogs copiam o MDig. Basta ficar de olho no Ocioso.com.br, volta e meia os textos do MDig aparecem por lá, em outros blogs. evil
Sylvinha em 15 de outubro de 2014 às 12:02:21»
O insonia copiou este artigo letra por letra, vírgula por virgula. Já viu admin?
L!$@ em 15 de outubro de 2014 às 00:36:02»
Ela não escolheu essa doença, também não considero suicídio... Apenas quiz morrer do jeito dela, melhor que em uma cama de hospital, afinal morreria do mesmo jeito, sua sentença já estava dada só escolheu como morrer, com as pessoas que ama, o lugar e a musica que mais gosta, história triste porém todo mundo manda no seu próprio corpo e se você vai morrer mesmo deveria poder decidir como e onde, o termo "doença terminal" já descreve, você já está morrendo, o mínimo que lhe cabe seria realmente uma morte digna ao lado de quem ama. E falaram de aborto aí, sou contra, é diferente porque você está matando outra pessoa que teria toda uma vida pela frente, neste caso uma pessoa está morrendo, está com uma doença terminal com os dias contados, é morrer ou morrer, a única diferença é como ela dicidiu morrer que foi ao lado de quem ama.De quelquer forma a morte é muito triste.
Terezinha em 14 de outubro de 2014 às 22:41:13»
A morte é assustadora.
Principalmente em se tratando de alguém tão jovem.
Hipócrates em 14 de outubro de 2014 às 19:26:10»
Pobre Brittany, querendo enganar a morte com um suicídio que, eufemisticamente julgou e disse, ser apenas "simples questão de opinião e decisão própria.Nenhuma mulher pode estar ligeiramente grávida e ninguém pode dizer que tirando a vida como ele fez, não é um suicídio.
Acho que foi o desespero da doença que a fez ficar assim, pois só quem tem esta maldita doença, sabe como é e trabalha na mente de quem infelizmente dela é vítima.
Tÿr em 14 de outubro de 2014 às 17:18:35»
Nos ensinaram que devemos lutar (acho que cabe aqui dizer que isso vale enquanto acreditamos) até o fim.
Tomar uma decisão assim também denota coragem. Vi por 14 anos um sofrimento sem que parecia não ter fim e quando ocorreu até ele se sentiu aliviado.
Deus me livre da morte de palha.