Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Isabela em 07 de outubro de 2015 às 02:04:33»
Que lindo!
avatar
sol em 22 de janeiro de 2015 às 17:32:50»
Poxa Cruel. Obrigada pela conversa. Eu li hoje de manhã mas não tinha tempo de responder.
Legal saber que é um pai e marido participativo e carinhoso.
Curti sua resposta. biggrin

Não me preocupa muito essa minha condição. Percebo como uma vantagem, pelo menos por enquanto.
No trabalho e em casa isso me ajuda muito até.

Com relação às mulheres e suas queixas, falo das relacionadas às doenças..ah...eu não as aguento mesmo. Se começar a conversa com queixas já dou um jeitinho de passar longe.

Abraço.
Cruel em 22 de janeiro de 2015 às 11:19:41»
Bom dia, Sol:
Não foi nada, ja tinha ouvido falar de casos semelhantes mas nunca tive curiosidade de saber mais detalhes, pois não havia ao meu redor ninguem com este problema, ate que vc levantou a mão. Como considero vc e mais mais meia duzia de mdigueanos, resolvi pesquisar. Foi simples, bastou alguns cliques e choveu informações na rede. Tomara que não seja algo muito serio e que vc descubra qual o real motivo.

Sobre homem aguentar mulher:
Minha esposa tem um genio du karai, desculpe as palavras. Possessiva, ciumenta, não da o braço a torcer mesmo sabendo que esta errada, masssssssss, é linda, passamos por muitos obstaculos juntos, temos 2 filhos lindos e eu tambem não sou facil. Ninguém é perfeito. Acho que o segredo de um casamento duradouro é 30% amor, 30% companheirismo e 40% saber lidar e aceitar os os defeitos do parceiro.

Sobre parto:
Tenho experiencia: minha primogenita, hoje c/10 anos, nasceu de parto normal. Acompanhei minha esposa do inicio ao fim, desde o sofrimento da dilatação de levou horas, fazendo massagem, ajudando na respiração ate o nascimento propriamente dito. Fui na sala de parto e acompanhei tudo. Não gosto de sangue, mas tentar fazer algo pela sua mulher e pela sua filha que esta por nascer supera qualquer coisa. Inclusive cortei o cordão umbilical.
Meu moleque, hj c/6 anos, nasceu de parto natural. Minha esposa optou em fazer o parto no hospital, mas num quarto sem as parafernalias da sala de parto. So eu, minha esposa, filha (que dormiu na hora), uma enfermeira e uma medica de plantão. Tbem acompanhei tudo e como era nosso 2o filho, o medo e as duvidas eram menores, o que ajudou bastante. A vantagem do parto natural é que logo apos o nascimento, o bebe fica com a mãe por um tempo, ate finalmente ser levado para lavar, pesar, etc. o que transmite segurança pros 2 lados. Ah, tbem cortei o cordão umbilical do guri (treco borrachento).
Pra mim, não houve trauma algum, em nenhum sentido. Se tiver que fazer mais mil vezes pela minha esposa, faria sem problema algum. Foram 2 experiencias que não esquecerei jamais.
Meu unico pecado foi prometer ao nascimento de minha filha que iria para de fumar, mas ate agora não consegui. Mas to tentando...

Sobre meu sono: meu horario pra dormir é maluco, pelo meu trabalho, que as vezes exige alem do normal e pelo meus filhos, que para eles sou 24 horas. Um dia explico melhor!

Um abraço!!!
avatar
sol em 22 de janeiro de 2015 às 07:45:26»
Oi Cruel, obrigada pelas informações.
Fui procurar por Neuropatia periférica que, na sua explanação, parecia mais próximo do que aconteceu. Os sinais e sintomas realmente se parecem mas somente à primeira vista.
De qualquer forma, não tenho total imunidade à dor. Senti dores de cabeça tempos atrás qdo tive picos de pressão alta, senti dor quando quebrei o dedo mas não era nada do tipo: Nooosaaa, quebrei do dedo! Entende?

Aconteceu mais especificamente nas contrações do parto. Pode ser um bloqueio emocional até porque quando fiquei grávida a primeira vez a "mulherada" falava cobras e lagartos da hora do parto e eu tinha muito medo da dor.
Mulheres se queixam demais, não sei como os homens aguentam. biggrin

O obstetra até falou na época de uma condição qualquer que uma entre 100 mil mulheres (não lembro direito) passavam por isso de não sentir dor.
Em seguida, depois de ter o bebê nos braços nem me preocupei mais em saber dessa condição.

Na época, também, não tive a sorte de ver vídeos como esse que mostram que há dor sim, suportável e que vai embora como num passe de mágica assim que o trabalho de parto cessa e o bebê nasce.

Em tempo: minha mãe dizia que eu não senti as dores por causa de uma novena pra Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, santa da qual ela era devota. wink

*Você não dorme? lol
Cruel em 22 de janeiro de 2015 às 03:49:28»
Querida Sol, com relação ao seu caso, muito se fala de uma doença chamada Síndrome de Riley-Day, que é uma desordem do sistema nervoso autônomo que afeta o desenvolvimento e a sobrevivência dos neurônios sensoriais, simpáticos e parassimpaticos, resultando variáveis sintomas incluindo: insensibilidade à dor, incapacidade de produzir lágrimas, fraco crescimento. Esta doença é hereditário e expectativa de vida é por volta de 30 anos. Mas felizmente parece não ser o seu caso, pois a síndrome acima, a pessoa não sente absolutamente nada. Talvez possa ser
um tipo de polineuropatia, uma doença dos nervos periféricos muito específicos, que carregam a informação de dor" (informação de um neurologista). Uma consulta detalhada poderá esclarecer melhor.
avatar
Marya em 21 de janeiro de 2015 às 16:40:39»
Ahhh!!! Agora entendi, riá riá riá.
Deixa pra lá, Sol.
avatar
Marya em 21 de janeiro de 2015 às 16:40:02»
Não fiquei melindrada não, fiquei curiosa mesmo.
avatar
sol em 21 de janeiro de 2015 às 16:20:18»
Ficou melindrada Maria? mrgreen
Eu só divaguei... fool
avatar
Marya em 21 de janeiro de 2015 às 16:16:03»
Não entendi seu comentário, cara Sol.
Poderia explicar-me, se não for dar muito trabalho?
avatar
sol em 21 de janeiro de 2015 às 16:08:31»
Mamilos são polêmicos. A palavra pegou hein?
Lanço outra QQ hora dessas. rolleyes
Edna Velho em 21 de janeiro de 2015 às 12:57:50»
Uma mulher ou homem (eu também acho que é) que acha parto broxante, vai morrer sozinho e sem filhos.
avatar
Marya em 21 de janeiro de 2015 às 12:55:22»
É. cool
zé rosquinha em 21 de janeiro de 2015 às 12:50:03»
Caramba eu perdi a parte tensa, né ?
avatar
Marya em 21 de janeiro de 2015 às 11:01:21»
Não é um bom hábito o parto em casa, pois se tudo correr bem, ótimo, mas se houver algum problema momentâneo, não haverá como socorrer a mãe ou a criança como é feito num hospital, onde há médicos e meios para um socorro.

[" Uma defensora do parto em casa morreu no último dia 23, após o nascimento de Zahra, sua segunda filha, em Melbourne, na Austrália. A fotógrafa Caroline Lovell tinha 36 anos e estava na companhia de parteiras. A mãe chegou a ser levada ao hospital, mas não resistiu. A criança, Zahra, nasceu saudável e passa bem.

Reprodução/Daily Mail
A fotógrafa Caroline Lovell, defensora do parto em casa e que morreu ao dar a luz

Embora Caroline tenha tomado todos os cuidados para que o parto acontecesse em casa, o procedimento teve complicações que ainda estão sendo investigadas. Uma ambulância ainda tentou levá-la para o hospital Austin, mas Caroline morreu no dia seguinte à internação. A explicação mais provável é que ela tenha perdido muito sangue durante o parto."]

Não quero polemizar rolleyes
avatar
sol em 20 de janeiro de 2015 às 22:20:46»
Mas é um momento muito especial em que a mulher fica fragilizada. Dá medo de tanta coisa nessa hora.
Nessa experiência, ter alguém que a gente ama e que transmite segurança deve ser muito reconfortante.

Talvez alguns homens não se sintam bem em ver o trabalho de parto por causa do stress e do sangue que a gente perde e tal, mas duvido que os que escolhem participar desse momento tão lindo percam o desejo pelas esposas depois.

Acho que o amor e o carinho aumentam. Um laço de verdadeira cumplicidade se forma depois dessa proximidade.
E muitas mulheres ficam mais bonitas e exuberantes depois do parto.

É só um outro ponto de vista.
avatar
Marya em 20 de janeiro de 2015 às 19:58:15»
Tem uma hora que o pai vai pra piscina com a criança, só os dois, e a água ta .... , ta... ta suja. Que horror, devia estar um cheiro de fresquim! vomit
avatar
PadreTorque em 20 de janeiro de 2015 às 19:41:56»
Interessante.
Mas não é pra mim...
:-/
Angelick em 20 de janeiro de 2015 às 19:05:19»
Sou mulher meu caro, não tenho filhos, mas já trabalhei em uma maternidade. Muitas enfermeiras sempre disseram isso e eu comprovei quando fui trabalhar auxiliando partos. É uma opinião particular, se um dia eu tiver filhos vou optar pelo parto natural, mas só quero estar eu a responsável pelo parto, nada de espetáculo, aliás, é comum nas maternidades brasileiras estudantes de medicina filmarem as mulheres nos seu momentos PARTICULARES, claro que esse casal fez as filmagens de livre e espontânea vontade, mas por por esses momentos nossas avós já passavam, só que naquela época não tinha internet e vontade de aparecer, pelo contrário, elas realmente tinham discrição e se resguardavam.
avatar
xandy46 em 20 de janeiro de 2015 às 18:54:42»
Evidentemente que angelick é um nerd espinhento escroto virgem que acha que um parto é broxante. Broxantes são opiniões como a sua, um tipo tão merecedor de pena que nem coragem de assumir o seu gênero (ou homossexualidade) tem. ma
Angelick em 20 de janeiro de 2015 às 17:27:31»
Acho uma frescura sem tamanho esses rituais e ainda por cima filmado, acho isso um momento tão íntimo que quanto menos gente possível é o melhor. Quanto ao pai, deve ser esses casal bem alternativo, porque a hora do parto é algo tão "broxante" que se isso não afetar o desejo do marido é um milagre, não estou dizendo que é algo feio, mas é um momento totalmente "mãe" que depois se o marido conseguir desvencilhar essa imagem na hora do sexo e ver a mulher como mulher e não como uma santa, vai ser mesmo um milagre. Isso é algo psicológico e inerente a índole do marido.
zé rosquinha em 20 de janeiro de 2015 às 13:23:27»
Sem polêmica?
Pode ter mas é difícil, agora comparada a daquela religião nunca chegaremos á essa.
Talyta em 20 de janeiro de 2015 às 12:48:42»
Que vídeo lindo! Provavelmente um dos mais bonitos que já vi. Muito amor em uma filmagem só. O companheirismo dos dois, o jeito que ele olha pra ela o tempo todo, tudo muito perfeito.

Emocionante!
avatar
sol em 20 de janeiro de 2015 às 12:06:33»
Que emocionante!

Eu preciso pesquisar ou perguntar a um médico sobre o que aconteceu comigo.
Eu não sinto dores quando se aproxima a hora do parto.
Na hora das contrações o médico tinha que colocar a mão na minha barriga para cronometrar, inclusive.
E sem dilatação tive de me submeter a uma cesariana.
Tenho uma resistência enorme à dor. Uma vez quebrei o dedo do pé e só fui saber meses depois quando fiz uma radiografia pq incomodou um pouco na hora de colocar sapato de salto alto.

Alguém sabe do que se trata?