Faça o seu comentário

:

:







Comentários

avatar
Marya em 22 de outubro de 2015 às 15:53:24»
O comentário do Haiduqque me fez recordar meus tempos de criança....
Sim, mas com um final menos triste... ( aliás, Haiduqque, quero externar aqui a tristeza que senti ao ler o seu depoimento cry cry )

Bem, prosseguindo... Estávamos eu, meus pais e irmãos voltando da casa de parentes que moravam muito no interior de São Paulo, e, por ser interior mantinham um enorme quintal com plantas, árvores, galinhas, patos, porcos...
Bem, para resumir, ganhamos 20 patinhos filhotinhos para trazer para casa.
Naquele tempo não tínhamos carro, a viagem era de ônibus, e tivemos que voltar de ônibus com os 20 patinhos dentro de uma sacola ( naquele tempo era costume as pessoas usarem sacolas, grandes sacolas de lona.
Bem, embarcamos no ônibus, mas em certo momento da viagem os patinhos já não tão assustados, começaram a se familiarizar (ou a sentir saudades de sua mamãe ) e começaram a piar ... piu! piu! piu! piu! piu!...
Imaginem 20 patinhos piando dentro do ônibus.
Já estávamos suando frio quando em um dado momento o motorista parou o ônibus, se levantou, virou para os passageiros e bradou:-
- Quem tiver animal aqui dentro pode descer do ônibus!

Bem... resignados não tivemos outra opção senão nos levantar e sair... mas, para nosso espanto vimos a maioria dos passageiros ( maioria esta quase todos ) descerem também, cada um com um animal escondido na roupa, no bolso, no chapéu, em sacola.... tinha galinha, porquinho, passarinho, ratinho, pato, cachorrinho.... todo mundo levava um bichinho escondido consigo!

E, o motorista ficou com uma cara muito engraçada... não teve outra alternativa senão mandar todos voltarem para o ônibus e continuar viagem... lol

Êta motorista gente boa! lol
avatar
Haiduqque em 22 de outubro de 2015 às 14:30:01»
O ser humano é capaz de praticar as ações mais atrozes e as mais sublimes.
Há anos, viajando por Moçambique, assisti a uma cena idêntia a este caso. Durante uma viagem de ônibus entre duas cidades distantes muitas centenas de quilómetros, o motorista descobriu que um passageiro, um rapaz de uns 20 anos, viajava com um pequeno cachorro escondido. Sendo proibido o transporte de animais, o motorista parou e obrigou o rapaz a largar o cachorro no meio do mato, numa zona deserta. Depois de muita insistência de ambas as partes, e sem o motorista ceder, o rapaz tomou a única decisão que a sua consciência permitia: saiu junto com o seu cahorro e a sua bagagem, ficando na estrada no meio do nada e sem a certeza de conseguir carona para seu destino. Olhei-o uma última vez, segurando seu cachorro no peito nessa estrada deserta, já a anoitecer.