Faça o seu comentário

:

:







Comentários

v0xxx em 22 de junho de 2016 às 21:16:00»
Num Brasil perfeito com uma urna perfeita pesquisadores de segurança credenciados teriam liberdade para, até 5 dias antes das eleições, irem nos depósitos onde ficam as urnas e fazerem testes reais em qualquer urna aleatória. Os testes incluiriam a básica inserção de votos para ver se não tem voto extra pra ninguém entrando e também tentativas de quebrar a segurança da urna com vírus ou injeções de código... A quantidade de pessoas envolvidas num esquema e a logística necessárias para fraudar as urnas 5 dias antes das eleições seriam muito grande pra tornar essa ação convidativa a algum grupo político. E assim as eleições eletrônicas poderiam se dizer seguras... No Brasil de verdade o TSE libera que um pesquisador "teste" a urna meses antes com muitas e muitas restrições ao que ele pode efetivamente fazer. É o equivalente a uma empresa dona de um cofre "super seguro" dizer para um ladrão tentar arrombar o cofre, mas pra isso só pode usar um palito de dente!
Marcus em 09 de junho de 2016 às 16:47:07»
George Fox, concordo! O mesmo vale para o voto papel!

As urnas eletrônicas trouxeram diversos benefícios, sendo o maior destaque a rapidez com que se processam as informações.

Em outras palavras, a fraude agora está modernizada hehehe!
Marcus em 09 de junho de 2016 às 16:42:37»
Brenno, eu entendo o que você está falando, mas até aí a pessoa poderia passar o protocolo de outra pessoa que ela conhece (e que poderia ter votado no candidato).

Enquanto não tiver transparência nas eleições, enquanto não mostrarem voto a voto de uma forma conferível, TUDO está sujeito a fraude. Todos os pontos, desde o voto do eleitor na urna até a conferência dos votos, estão sujeitos a fraude.
George Fox em 09 de junho de 2016 às 15:51:51»
Me chamavam de louco. Eu falo isto desde que inventaram a urna eletrônica. Quem é que pode garantir a lisura do software? Quem é que supervisiona o programador? Quem é que gerencia o supervisor? Quem é que direciona o gerente? Quem é que governa o diretor? è muito poder na mão de apenas uma pessoa.
avatar
Marya em 09 de junho de 2016 às 14:21:43»
Bem, fugindo um pouco do assunto, nas próximas eleições para Presidente da República certamente teremos os mesmos candidatos de sempre e, caso apareçam outros, também já serão velhos conhecidos do eleitor, portanto eu sugiro que não haja campanha eleitoral simplesmente porque não há necessidade disso se os candidatos já são conhecidos.
Já pensaram no dinheirão que será economizado?
Virgínia em 09 de junho de 2016 às 14:18:01»
O problema é o que o Brasil está cheio de especialistas em tudo. O programador diz que a urna eletrônica não é segura, mas as pessoas preferem acreditar na palavra de um advogado ou de um médico ou de um político...
Junico sem login em 09 de junho de 2016 às 14:15:51»
Gawaim, pessoas autorizadas? Quenm disse que elas estão acima de qualquer suspeita? Quem entregou a chave que computa mais de 100 milhões de votos ao Tofoli? Quem disse smartmatic é uma empresa decente? Não é caso de vírus nem de acesso ilegal de dados, é o próprio software que realiza a fraude.
Junico sem login em 09 de junho de 2016 às 13:52:48»
Não é necessário que o sistema seja conectado a internet para que fraude os resultados. Basta que o software tenha código malicioso. Isso pode fazer, por exemplo, que a cada 5 votos para fulano um vai automaticamente para sicrano. Os programadores podem apresentar um código fonte limpo e compilar um software sujo sem que ninguém possa identificar.

Vou tentar explicar: você escreve um programa em uma linguagem de programação qualquer que tem lá um conjunto de instruções que reproduz uma rotina que deverá ser executada por um computador. Este é o código fonte e todo programador pode ver se o código é limpo ou não. Depois que este cógigo é compilado para rodar no computador ninguém mais consegue ver se o código está limpo e se realmente é o código fonte original. O que isso quer dizer? É factível que um programador exiba um código para avaliação e compile outro malicioso para execução.

É isso que as pessoas não entendem. Não há a necessidade de interação via rede ou internet para que os dados sejam mudados, senão que o próprio software pode fazer isso. Urna eletrônica é uma roubada.
avatar
Moonwalker em 09 de junho de 2016 às 13:16:50»
Olha, votações para quase tudo são manipuladas desde o tempo que se votava erguendo a mão.
A questão é: até na hora de comprar um carro eu escolhi um com a menor quantidade possível de sistemas eletrônicos. Um deles, o alarme, pelo menos uma vez por mês faz eu chegar atrasado em algum lugar.
Mas sinceramente não saberia o que sugerir para tornar o sistema eleitoral brasileiro confiável. Trocar todos os eleitores e políticos, talvez.
Gawaim em 09 de junho de 2016 às 12:35:58»
Eu não acredito nestas fraudes. O Sistema é simples,não é conectado a internet, para acessa-lo só pessoas autorizadas. O que em caso de fraude seria muito fácil identificar quem disseminou o vírus! Mas, uma providência simples poderia ajudar a aumentar a credibilidade:
- Para cada voto, um recibo tipo cupom fiscal seria emitido com uma contagem parcial inclusive demonstrando a posição anterior de cada candidato antes e depois da sua votação! Mais tarde essa informação estaria disponível na internet e qualquer pessoa descontente com o resultado conferiria seus cupons, que também seria o comprovante padrão que votou, comparando com os dos seus amigos e veriam se as informações da sua urna estavam ou não com discrepância!
Alfasilas em 09 de junho de 2016 às 08:38:54»
O computador nunca erra, mas segue ordens mesmo que erradas.
Confio no computador do banco, mas nunca deixo de conferir o extrato. Quando o voto era escrito, se aparecerem muitos votos com a mesma grafia, houve fraude, com o voto eletronico é quase impossivel descobrir.
avatar
Leo Sllyver em 09 de junho de 2016 às 08:27:30»
Brasileiro não sabe o que é democracia, a gente "pensa" que tem, mas não tem. Nas últimas eleições, nenhum candidato me representava, e mesmo assim tive que ir lá votar (em tese) em algum deles. Mas agora não caio mais nessa, próximas eleições, se não tiver nenhum bom candidato, não vou votar, e vou lá pagar os 3 contos de multa!
brenno em 09 de junho de 2016 às 00:50:30»
Marcus, quero o número do seu protocolo ou já sabe as consequências.
Marcus em 08 de junho de 2016 às 18:26:49»
Por que o voto não é público? Poderiam imprimir um número de protocolo com os votos e disponibilizar em um website os resultados de forma simples: protocolo - votos.

Assim, não revelaria quem é o eleitor e qualquer um que votou poderia confrontar seu protocolo com seus votos e até mesmo somar todos os votos para ver se a conta fecha.

Isso aumenta a transparência e reduz significativamente a possibilidade de fraude.