Faça o seu comentário

:

:







Comentários

avatar
msp1500 em 01 de abril de 2013 às 10:49:15»
Chocante.
avatar
Politico Honesto em 21 de março de 2013 às 20:30:40»
Aqui também.
avatar
PREDADOR em 09 de outubro de 2012 às 12:43:19»
Roooaarrr...
Edgar... excelente sua colocação...
Jota Tedesco em 08 de outubro de 2012 às 20:32:24»
Esquisito que um vídeo que visa conscientizar os abastados sobre os problemas dos pobres do terceiro mundo, tem um efeito contrário, talvez porque macule o remorso. Não reconhecer os erros dos antepassados é também uma boa forma de massagear conciências para não enfiar a mão do bolso para dar um pouco do bastante que têm. Egoísmo a gente encontra aqui! Eu hein...
avatar
Luiz Felipe em 08 de outubro de 2012 às 20:30:09»
Claro que os problemas do primeiro mundo não são problemas, afinal de contas, não existe desigualdade social e todos são milhonarios nos paises ricos.
avatar
Marya em 08 de outubro de 2012 às 19:12:13»
Eu acho que países ricos são doidos por jogar umas bombinhas nos países paupérrimos, e acabar com essa gente pobre.
Que chato esses pobres, passam a vida se queixando sabendo que morrerão se queixando pois sempre serão pobres.
Seria muito prático acabar com eles todos, varrer da superfície da terra.
Aí só sobrariam os ricos... arr ... mas quem iria trabalhar para os ricos? fool
avatar
Politico Honesto em 08 de outubro de 2012 às 15:52:00»
"PH, é justamente por essas razões que precisamos ter uma visão ponderada da história, sem extremismos, tampouco adjetivações radicais."

"Portanto, dar um veredito final do tipo "os países que foram colonizadores são os culpados por toda miséria existente em todos os países que foram suas colônias", esquecendo-se dos benefícios que muitas dessas ex-colônias tiveram, é injusto."

Por isso que eu disse que tais países têm sua parcela de culpa, não os citei como únicos. Ademais, não se trata de um julgamento final.
avatar
Politico Honesto em 08 de outubro de 2012 às 15:09:50»
Eu entendi sua visão de realidade histórica da época - justamente por isso citei as colônias de povoamento, que também fizeram parte dessa grande época.

"Como a civilização teria chegado às Américas se os europeus 'malvadões' não tivessem 'invadido' as terras que eram habitadas pelos autóctones 'bonzinhos'?"

Você pode garantir que os indígenas "inocentes" jamais experimentariam avanços culturais? A História prova que já houve povos - não tão civilizados quanto os "malvados" europeus - que possuíam grandes conhecimentos científicos (principalmente ligados à Astronomia), em grau superior ao dos europeus, em épocas similares. Enfim, utilizando o teu próprio raciocínio, o conhecimento da civilização adquirido pelos "explorados" não justifica os danos que receberam pelos invasores, pois havia formas alternativas de colonização.

Os fatos, encarados dentro de seu real contexto, não deixam de ser fatos, com toda a gama de consequências que produziram; suas marcas não podem ser ignoradas, não importa de que ângulo eles (os fatos) sejam observados.
Jorge Luis em 08 de outubro de 2012 às 14:55:39»
Só posso dizer que o capitalismo de periferia - O que transfere tecnologias assim que minguam no centro - é o que mais causa danos aos países que se sujeitam a esse tipo de exploração. Não só com bens de consumo, mas também com tecnologia de subintendência que poderia ser muito bem aproveitada. Tratamento de água e esgoto como o que é utilizado na França ou Inglaterra, por exemplo. A verdade é que as pessoas (nações se preferir) fazem de tudo pelo bem estar somente do seus. Os outros? Que se phodam e assim é mais fácil controlar.

Não estou comentando com base no que esta abaixo (até que o nível esta bom) somente com o que li acima.
avatar
Politico Honesto em 08 de outubro de 2012 às 14:38:31»
Tendo em vista que os acontecimentos do passado geram diversas consequências no presente e no futuro (um tanto óbvio, mas a ideia é essa), não tem como fechar os olhos para o impacto da forma de colonização que tais países sofreram e não associá-lo à sua atual situação social, econômica e, alguns casos, política.

E discordo: podem existir bons e maus na história (nem sempre as circunstâncias justificam os ideais de alguns líderes), basta olhar para os conflitos que se desenrolaram nos últimos anos. A meu ver, invadir um país, escravizar sua população, explorar seus recursos e depois "ir embora", deixando-o devastado, não é uma coisa boa; uma "prova" disso são justamente o outro tipo de colônias, as de povoamento.
avatar
Politico Honesto em 08 de outubro de 2012 às 14:11:35»
"Então os países ricos têm culpa pela pobreza dos países pobres?"

Historicamente, têm sua parcela de culpa, pois muitos dos atuais países subdesenvolvidos/em desenvolvimento foram colônias de exploração de países europeus.
Jota Tedesco em 08 de outubro de 2012 às 14:00:58»
O chocolate Nestlé que você come a peso de ouro é retirado na África a peso da escravidão. O tênis da moda é fabricado por menos de 1% de seu custo na Ásia.

Colocar as cartas na mesa e fingir que o problema não existe só serve para aliviar conciências.
Edgar Rocha em 08 de outubro de 2012 às 12:34:57»
É claro que a discrepância entre a realidade dos países de primeiro mundo e a dos de terceiro mundo expostas no vídeo realçam a futilidade de um modo de vida abastado, em detrimento das reais necessidades dos que não tem nem água pra beber. Mas, acho que este discurso é uma faca de dois gumes: introjetar a culpa no cidadão de primeiro mundo implicaria também em transferir ao cidadão comum a responsabilidade pelas enormes desigualdades sociais. Ficam as questões: caso fossem os africanos abastados, deixariam de consumir o que a sociedade EXIGE que se consuma como forma de inclusão e reconhecimento, para pensar em regiões mais pobres do mundo? O problema é o mal-viver do terceiro mundo, ou o bem-viver do primeiro? Devemos querer que todos tenham acesso aos requisitos básicos e à qualidade de vida, ou exigir que os que têm sintam-se privilegiados em relação aos que não tem? Pra mim, culpabilizar a sociedade civil (a quem se dirige tal propaganda), pode ser o mesmo que querer nivelar por baixo. O excluído tem de ser incluído, e não o incluído tem que abrir mão de atender suas necessidades dentro do contexto em que vive. Acaso o rapaz que mora num barraco, não estaria desejando ter uma casa maior e com água potável, assim como teria o jovem de primeiro mundo? Que garantias há, nesta sociedade regida por tubarões, que a tua recusa a certos luxos, se é que assim pode-se definir, irá se reverter em recursos para o benefício dos desvalidos, e não em dinheiro de sobra para os que já tem muito? Formas de direcionar este excedente para o ralo dos abastados existem. Acho que deveria se criticar o sistema que gera necessidades irreais aos que podem consumir, ao invés de culpabilizar aqueles que são induzidos a senti-las. Deve-se criticar os que necessitam da desigualdade para manter funcionando a máquina que consome a todos, não só aos pobres. Ou será que ser um hamster, como na frase destes dias aqui no MDig, pode ser definido como "bem-viver"?
avatar
Nheco Nheco Pum em 08 de outubro de 2012 às 11:40:57»
Revoltante, mas é possivel mudar isso.
avatar
Politico Honesto em 08 de outubro de 2012 às 10:58:37»
Escárnio.
avatar
revolt4d4 em 08 de outubro de 2012 às 10:54:29»
De certa forma, os problemas do terceiro mundo são por culpa do primeiro mundo.
Mas não é só isso.