Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Lolita Pires em 20 de janeiro de 2013 às 11:54:55»
Isso me lembra a comunidade "Virunduns" do orkut. Os integrantes relatavam exatamente isso. Bem engraçado por sinal.
avatar
msp1500 em 19 de janeiro de 2013 às 14:07:51»
São as peças que nosso cérebro nos pegam.
Edgar Rocha em 19 de janeiro de 2013 às 00:50:28»
Revoltada,
Tem razão. Brasileiro tira proveito desta ambiguidade do idioma. É um recurso.
"Melancia na beira da estrada,
tô vendendo, tô vendendo,
tô vendendo por taiada".
avatar
revolt4d4 em 18 de janeiro de 2013 às 23:35:48»
Das nacionais tem mais paródias do que casos de cacofonia.
TOM RJ em 18 de janeiro de 2013 às 20:17:11»
Cara eu entendia " homem que mata, capitalismo selvagem" mesmo, hahaha
Edgar Rocha em 18 de janeiro de 2013 às 13:21:46»
"Num fuscão preto pela Cida a te arrodar"
Edgar Rocha em 18 de janeiro de 2013 às 13:18:34»
Se bem que, letra mal feita às vezes, sem atenção aos cacófatos, somada à dicção ruim do intérprete... Nem sempre dá pra culpar quem ouve. Quem brincava com isto eram os Trapalhões, lembra?
Edgar Rocha em 18 de janeiro de 2013 às 13:12:32»
"Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas"... Uma professora de português ensinava: "Miriam, ensina o exemplo daquelas mulheres de Atenas"
avatar
Politico Honesto em 18 de janeiro de 2013 às 11:58:47»
As "adaptações" (algumas forçadas, diga-se de passagem) dessa lista: fool

No início, eu realmente entendia "Homem que mata, capitalismo selvagem...".
avatar
Layla em 18 de janeiro de 2013 às 11:48:40»
Huahuahua... Bom demais!

Lembrei do meu irmão cantando uma música dos Mamonas Assassinas, a letra era « Money que é good nois num have» e ele entendia « Money de yakult nois num vevi». Rsrs
avatar
Lucy em 18 de janeiro de 2013 às 11:46:04»
desconheço essas musicas, mas ja cantei outras errada