Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Oppenheimer em 10 de julho de 2016 às 01:39:57»
Disgusting fucking people. Nothing good comes from that country.
avatar
PadreTorque em 26 de março de 2015 às 21:56:43»
Bizarro, mesmo !!!!
Nossa...
:-/
avatar
sol em 25 de março de 2015 às 23:27:07»
Lembro de ter roubado uma prova que era rodada no mimeógrafo da escola que eu estudava.
Era o último ano do ensino fundamental e a prova era de história, matéria que eu mais gostava de estudar.

O inspetor deixou a sala por uns instantes e eu e uma amiga resolvemos pegar a prova.
Dividimos com mais 3 amigas e combinamos que cada uma ia "errar" uma questão qualquer só pelo medo de dar na vista o roubo.

Todas as quatro amigas tiraram 10 na prova, menos eu.

Poxa!!! Que palhaçada. mrgreen
Moonwalker sem logar em 25 de março de 2015 às 17:27:18»
Puxa! Gostei do que o professor do Luisão pensava com relação a colar. Não deixa de ser uma forma de gravar a matéria. Mas eu sempre fui contra a cola.
Dizer que nunca colei, eu não posso. Mas eu aprendi que é errado e eu não tenho orgulho de já ter feito isso.
Por outro lado hoje, pós-graduado, eu ainda conheço poucas pessoas que de fato aprenderam algo dentro da sala de aula.
A tal da aprendizagem mecânica, citada no post, pode até ser efetiva para o governo gritar dos palanques que está minando o analfabetismo. Mas em termos de aprendizado, acho que não ajuda (quase) em nada.
Como eu sempre fui muito doente, algumas vezes comentei com a minha esposa que aprendi mais coisas assistindo e lendo jornais em casa do que na escola.
Minha esposa, que tem a mesma idade que eu e tambem tem formação superior geralmente não lembra ou não sabe detalhes de coisas importantes que aconteceram quando eramos crianças, como o impeachment, o prebiscito para escolher se queriamos uma monarquia parlamentar em 1993 ou se era melhor deixar como estava e coisas assim.

aprendizagem mecânica.
avatar
Rex em 25 de março de 2015 às 15:38:02»
Ao mesmo tempo que é bizarro, é triste ver uma coisa dessas, os pais escalando (e pondo suas vidas em risco) para conseguir o futuro dos filhos, mesmo que esse ato possa ser o fim do futuro do filho, é uma pena.