Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Osaminha em 22 de junho de 2015 às 17:00:42»
Cortar madeira usando pedra é extremamente cansativo, fora o fato de que na maioria dos lugares não se acha o tipo de pedra bom para cortes.
Podiam ter dado uma facão pra ele.
avatar
headbanger em 22 de junho de 2015 às 15:47:05»
Ele com certeza faz um bom páreo com o Bear Grylls e com o Ed Stafford. Aliás, o Ed Stafford passou o maior trabalho pra fazer aquele abrigo, se tivesse feito assim de barro fazia mais rápido.
Edgar Rocha em 22 de junho de 2015 às 13:01:47»
Maravilhoso! Faltou só a porta da frente e tampar o vão do telhado frontal. Um foguinho aconchegante ao lado de um monte de madeira na floresta, bem... se eu fosse uma jararaca, não perderia tempo.
Mas, o legal é que o que ele fez foi arqueologia / etnologia aplicada. A gente aprende no curso de arqueologia. Desde lascar pedras pra obter instrumentos, usar a técnica de roletes pra fazer cerâmica, como nossos antepassados indígenas, até usar a taipa (barro com palha ou estrume) pra fazer a casinha de pau-a-pique.
Se o ser humano soubesse o quão bem pode-se viver com pouco... O tempo gasto seria absolutamente funcional e a vida comunitária seria algo desejado e bem vindo. Não sobra tempo pra futilidades e o conhecimento produzido começa sempre a partir das necessidades primárias. Uma comunidade evolui a passos largos desta forma, ao contrário do que se pode imaginar. O resto, a complexidade, divisão social do trabalho e hierarquia, acabam por atrapalhar. Os interesses desviam o crescimento Social por excelência, canalizando as energias pra defesa dos interesses dos mais incapazes de viver em sociedade. Mas, é o dilema da vida. Tudo está bem enquanto se está vivo. A morte (e o medo dela) justifica todo o resto. É dela que surgem as desigualdades.
Seria bom mesmo se pudéssemos ser tão auto suficientes novamente. Não se trata de primitivismo. É questão de vida ou morte. Alguém leu as últimas notícias sobre a extinção em massa e o inexorável crepúsculo da humanidade em, no máximo 100 anos? Preparem-se pra amassar taipa!