Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Adelaine em 07 de junho de 2016 às 12:07:42»
Há uma ignorância tamanha em afirmar que “se eu desejo pessoas do mesmo sexo, eu seja do sexo oposto” ou “se há atração entre pessoas do mesmo sexo há igualdade de gênero”. Acredito que, assim, como não podemos escolher de quem (por quem) nascermos não podemos escolher qual o nosso sexo, mas, porque não sou “hetero” o mundo seja obrigado a aceitar a ideologia da igualdade de gênero. Por que então há mais homem e mulher definidos no mundo? Tudo bem, se há igualdade de gênero, como fazer com os que não são ou não pensam e nem agem assim? Como explicar a reprodução e a necessidade de sexos opostos para continuar as espécies na terra? Porque nenhum dado científico veio a aclarar tal igualdade?
Se alguém deseja sexo com um animal não o tornaria ele também um animal? O fato de alguém desejar outra pessoa do mesmo sexo não é base para que ela seja igual. O fato de eu comer doce e amar doces não me torna em um pote de leite condensado, ou torna?
O problema das pessoas é querer fazer regra aquilo que é particular e exceção. Viva como sentir-se bem e não tente obrigar o mundo a ser como você é. Seja você e deixe o outro ser ele mesmo como ele quer. Não somos iguais, não há nenhuma pessoa igual à outra e essa é a maior e enigmática essência da vida humana. Se o problema é estilo, forma e desejo (libido), viva como se sentir melhor e não se sinta rejeitado nem imponha regras pra sociedade, seja você e deixe o mundo ser o mundo. Mas lembre-se, por TODAS as coisas (boas ou más, certas ou erradas, sóbrias ou insanas) DEUS NOS LEVARÁ A JUÍZO (Eclesiastes 11.9).
Se quiserem respeito e aceitação, primeiro se aceitem e se respeitem. Não queiram do outro aquilo que nem vocês conseguem dar-se a si mesmos. Se eu sou hetero ou homo, eu preciso apenas viver com respeito aos limites do meu próximo.
Plantemos boas sementes do amor, pois a colheita não poderá ser diferente. Ame. Respeite. Valorize. Viva!
Tysson Marvinis em 05 de agosto de 2015 às 13:33:50»
Interessante notar os argumentos contra a ciencias sociais e sua invalidação que foram postos nos comentarios, na qual como descrito na materia que o proprop Harald Eia é um sociologo e procurou utilizar-se do metodo cientifico...
João Batista em 28 de junho de 2015 às 11:04:03»
muito bom, por isso erram tanto e impõem que outros muitos errem tbm, "..., as ciencias socias não trabalham com objetos 'exatos' como as ciências matemáticas de um modo geral o fazem."
Carol ina em 23 de junho de 2015 às 15:32:48»
O primeiro ponto é, as ciencias socias não trabalham com objetos 'exatos' como as ciências matemáticas de um modo geral o fazem. Essa é uma peculiaridade que constitui a propria essencia das ciencias e que não deve ser esquecida. Mas é uma pena que a ciencia humana de um modo geral também queira nos compartimentarizar dessa maneira.Nós que somos tao complexos e diferentes. Por isso, nos cabe refletir sobre essa necessidade de termos respostas exatas para tudo, a ciencia não é justamente o contrário?estar aberta à refutações? Pessoal, a gente não precisa acreditar em tudo o que vê, as coisas servem para que possamos discutir e argumentar de forma lúcida. Sobre as questões de gênero: devemos parar com essa polarização, homem com ódio de mulher por não entendê-las e mulheres com odio de homens por não entendê-los. Não é assim que vamos nos entender. O feminismo não é se posicionar contra o homem, mas sim reinvindicar a questão da igualdade da mulher em aspectos economicos e sociais, nunca biológica. A questão biológica é bem clara, homem e mulher são diferentes, como em qualquer espécie. A questão é que ao longo da história a mulher, tanto quanto as crianças, os negros,asiáticos,pobres,judeus, foram colocados numa hierarquia inferior ao estado de cidadão e o que se tem em vista com essas politicas sociais é que tais grupos possam ser de uma vez por todas incluídos. Sei que existem discursos de ódio para todo lado, mas vamos abstrair disso? Vamos nos perguntar, que tipo de apelo existe ainda em todo ódio? E se podemos debater esse assunto de forma inteligente. Vamos parar com essa bobagem de querer dominar o outro. Oras, eu sei que todos nós queremos um lugar no mundo bacana para viver, para se educar, ser feliz. Um lugar assim é feito de gente não é mesmo?! E não é legal quanto todo mundo é ouvido, todo mundo está feliz? É sim. E se o outro não está feliz, o que a gente faz? Tenta entendê-lo,oras.Infelizmente, por falta de reflexão pensamos que a questão é essa, a mulher assumir o papel do homem, dominá-lo. Se você entende o feminismo dessa maneira,é claro que vai odiar as mulheres. Mas, pensemos: É mais do que claro que a mulher é alvo de gigantescas violências, que ela não pode andar sozinha diante de um contexto de total inferiorização, de objetificação.Não precisamos que a ciencia nos diga isso, é so perguntar para a sua mãe,sua namorada, tia,amiga, pergunte se elas são livres para irem para casa a a noite sem o medo real de serem estupradas. Esse é só um exemplo bem extremo do que digo, mas existem tanto outros por aí. Fechar os olhos para isso é nos omitir de certa maneira do nosso cuidado com outro ser, que é habita conosco o mesmo espaço social. Sei que você não quer ouvir isso, mas é assim mesmo. As mulheres não odeiam os homens, todo mundo precisa do outro, gente. Não dá para transformar nosso espaço sendo assim tão individual.Dizer isso, é so constatar o que se vê todos os dias. Mas não precisam encarar isso com tanto ódio no coração, tudo bem?! Isso foi uma construção e colocação do papel da mulher ao longo do tempo (e digo que ha muito tempo a mulher está nessa situação-aqui caberia um incurso historico). A questão é que não fica claro para os homens a meu ver esse contexto de abuso, uma vez que ele não se encontra inserido nesse grupo. Como um branco muitas vezes não consegue entender quando o negro fala que é discriminado. Acho que o momento é bacana para a gente se unir e falar pro outro o que sente sendo de um ou outro gênero, para que todos possam avaliar por si mesmos o que vê em relação ao outro. Uma aproximação do diálogo entre os gêneros, aqui incluo também os trans, os homoafetivos. Não sei, mas uma impressão que fica em mim é que estamos discutindo tão superficialmente sobre o que o outro é, esquecendo de perguntarmos de verdade para o outro, diferente de mim, o que ele sente, como ele se vê. Não é necessário tanta repulsa,mas clareza e vontade de conhecer o outro. Mais uma vez repito, essa bobagem polarizada é o que nos impede de discutir de forma inteligente sobre o assunto de minorias não serem incluídas, e qual a nossa responsabilidade nisso. É esse tipo de polarização que nos impede de pensar com argumentos e nos lega a um tipo de discussão vazia. Depois escrevo sobre o vídeo. Abraços procêis.
Elinaldo Renovato de Lima em 23 de junho de 2015 às 11:58:28»
ESSA TAL DE IDEOLOGIA DE GÊNERO teve origem em Karl Marx, fundador do comunismo, que dizia que a família era a primeira experiência da exploração do homem pelo homem. E que sexo é uma invenção ou construção social. Dizem os seus defensores que não há sexo masculino nem feminino, ninguém nasce homem ou mulher. Tais ideias materialistas e absurdas IGNORAM o sexo biológico, ou a biologia, e DESPREZAM as informações da GENÉTICA, que mostra que um ser humano tem cromossomos masculinos, se for homem, e cromossomos femininos, se for mulher. PARA OS IDEÓLOGOS DE GÊNERO, nada disso tem valor. O que existe é o GÊNERO neutro, ao nascer, e a pessoa escolhe o qjue quer ser, se homem ou mulher. UMA TREMENDA VIOLÊNCIA CONTRA A REALIDADE SEXUAL DO SER HUMANO. Neste artigo, vemos uma pesquisa científica derrubando esse ataque mortal à biologia.
kelly silva em 08 de junho de 2015 às 19:49:13»
eu não entendi, que conclusão chegaram? o que é NIKK e o que eles fazem... pode explicar melhor?
johaness em 05 de junho de 2015 às 11:36:14»
fica muito claro que sim há mulheres masculinizadas por condicoes fisicas como hormonios e psicologicas. mas isso nao é a regra e sim a excecao a esta regra.
o padrao é o que já esta estabelecido, ninguem é obrigado a escolher essa ou aquela carreira, hoje em dia tem mulher trabalhando até com construcao civil...
so em 01 de junho de 2015 às 22:05:15»
Que coisa mais ridícula essa ideologia de gêneros, a verdade é uma só:Há heterossexuais, há homossexuais, há transexuais e há bissexuais; cada um é diferente do outro todos merecem respeito se é certo ou errado não é problema nosso pois já nasceram assim, quem não estiver satisfeito...pula fora do mundo!
Will Multini em 01 de junho de 2015 às 15:51:32»
É nisso que dá quando se separa a Filosofia da Ciência.
Diferenças históricas, culturais, sociológicas e biológicas existem, mas o elemento principal da vida é o caráter existencial, para o qual não há medida empírica e só a filosofia analisa.
Por isso o repórter nem ninguém é capaz de destruir a ideologia de gênero, mas os cientistas não - filosóficos caíram direitinho na dele. Triste --'
Nunca me enganou em 01 de junho de 2015 às 13:32:39»
https://www.youtube.com/wat...
Apenas assista.
Cristiano em 01 de junho de 2015 às 09:36:20»
A ideologia de gênero representa nos dias atuais a mesma coisa que a ideologia eugenista representava no século XX. Os liberais e os sociais-democratas adoram essas porcarias, ambas fadadas a ser desmascaradas como uma lavagem cerebral, uma engenharia social fadada ao fracasso.
Alan em 14 de abril de 2015 às 00:48:02»
Tirando aquelas "feminazis" que na verdade odeiam homens, o que me intriga sobre a luta feminista autêntica é que ignoram todas as naturais vantagens que o tal sistema masculino lhes propicia.O que me impele a pensar que na verdade queiram mesmo vantagens e não igualdade.
Vanio em 28 de março de 2015 às 00:39:21»
Ma Rina, homens e mulheres já possuem direitos e deveres há muitíssimo tempo.
Feminismo é tão necessário atualmente quanto uma Máquina de Escrever.

Homens e mulheres são diferentes e possuem interesses diferentes, portanto jamais "serão iguais" se forem deixados Livres para competir no Mercado Econômico.
O documentário prova isso que todo mundo já está cansado de saber mais uma vez.

Entre os próprios homens há diferenças absurdas de salários, de modo de vida, de profissões, de tamanhos e de força. Por que então obrigatoriamente deve existir "igualdade" entre homens e mulheres?
Vanio em 28 de março de 2015 às 00:26:43»
Luiz Felipe, uma cientista perto do final do vídeo dá a explicação científica do porquê homens e mulheres escolherem profissões diferentes. Veja o documentário inteiro antes de falar ignorâncias sobre o documentário.

Homens e mulheres são diferentes e possuem interesses diferentes, portanto jamais "serão iguais" se forem deixados Livres.
Rodrigo Rhoden em 24 de fevereiro de 2015 às 11:52:12»
Perfeito. Num lugar onde o sujeito não usar camisinha ou se a parceira sexual se arrepender do ato, ele pode ser acusado de estupro, foi um golpe bem acertado.
Rafael'Alcantara em 07 de janeiro de 2015 às 20:26:20»
Um tapa na cara de um movimento que tem se tornado cada vez mais ridículo, infundado e exacerbado como o feminismo. Todos deveriam assistir esse documentário.
Ma Rina em 03 de janeiro de 2015 às 16:25:55»
Suzi querida, não adianta vir aqui querer desbancar parte dos meus argumentos que não vão de acordo com os seus. Você que sabe tão bem o que é ser mulher, faça um favor a si mesma e assista a esse documentário pra tentar achar uns argumentos a seu favor: https://vimeo.com/72015293#at=0
Eu coloco em pauta assuntos que acredito serem válidos para a criação de um debate sobre o feminismo. O feminismo não é um livro de regras pre estabelecidas, não é marxismo ou nazismo, é bem diferente; as pessoas não sabem nada sobre o assunto e só ficam repetindo o mesmo blablabla e não pensam por sí próprio. Não tem que ter medo de feminismo não, e feminismo não está tentando acabar com os homens, está simplesmente tentando dar direitos iguais a ambos os sexos e não há nada mais justo que isso. Ninguém diz que homem e mulher é igual, porque seria estúpido dizer o mesmo. Ele são claramente bem diferentes.

Outra coisinha, eu não defendi o aborto em nenhum de meus posts então você está cega de raiva e foi incapaz de direcionar pra pessoa certa seu post contra aborto.
Só porque uma pessoa acredita em alguns valores feministas, isso não quer dizer que ela é automaticamente contra ou a favor do aborto.

"Feminismo não prega ódio, feminismo não prega a dominação das mulheres sobre os homens. Feminismo clama por igualdade, pelo fim da dominação de um gênero sobre outro. Feminismo não é o contrário de machismo. Machismo é um sistema de dominação. Feminismo é uma luta por direitos iguais. Existe essa grande falha lógica que é o sujeito achar que você tem que ser contra uma coisa pra ser a favor de outra; neste caso, "contra" os homens para ser "a favor" das mulheres. O feminismo não luta contra os homens, e sim contra o supracitado sistema de dominação, que, veja só, privilegia os homens e foi criado por... homens. Fica clara a diferença entre lutar contra um sistema e lutar contra todo um gênero?"
avatar
Luiz Felipe em 02 de janeiro de 2015 às 22:32:22»
AQ conclusão deste filme é que "Ciencias Sociais" não são ciencias de verdade pois não observão o mundo e não usam o metodo cientifico. São um bando de cabeças duras, eles me lembram outro grupo de pessoas, os religiosos.
Suzi em 02 de janeiro de 2015 às 15:04:20»
Ma Rina

"Derrubo opinões pré concebidas por quem não é mulher e não sabe o que é ser mulher nessa sociedade."

- Sou mulher e sei o que é ser mulher nessa sociedade. E você, que é mulher NESSA sociedade, sabe o que é ser mulher no Islã, sobre o qual as feministas se calam, isso quando não fazem defesa descarada?

"O conceito de que mulher tem que ficar em casa e de que mulher de TPM não pode trabalhar, foi imposto por homens.

- Claro! Às mulheres foi negado o direito de irem caçar junto aos homens, desde a Idade da Pedra! Pobrezinhas! Ficavam cuidando da prole, na maior opressão enquanto os homens iam caçar por esporte!

Queria ver se teríamos sobrevivido como espécie se as mulheres tivessem de fazer as mesmas tarefas masculinas. Pobres crianças! Quem as alimentaria? Quem as cuidaria e protegeria?

"Quem foi que trabalhou nas fábricas tanto quanto nas áreas mais 'técnicas' como nas administrativas quando os homens tavam se matando em guerras infindáveis e sem sentido?Logo quem que reconstruiu países devastados pela guerra? Mulheres. Mulheres constituíam 90% da força de trabalho durante a Guerra, outro conceito retrógrado que só visa poder, território, ideologia religiosa ou bens materiais... quem faz guerra? Homem"

- Claro! As mulheres européias viam seus maridos morrer ou voltarem para casa inválidos, tendo filhos para criar, alimentar. Elas devem ter achado o MÁXIMO terem de ser OBRIGADAS a reconstruir a Europa! Pergunta se elas ESCOLHERAM perfazer 90% da força de trabalho? Pergunta também as custas do que, as mulheres substituíram os seus maridos! As custas de muita privação e privação dos filhos também!

Homem faz guerra? Pois é. Inclusive arriscando a vida pelas mulheres ingratas! Mas mulher também faz guerra. E guerra covarde: faz guerra com seus filhos não nascidos, ainda no ventre! Faz guerra contra os seres humanos mais puros e inocentes! Quer saber? A natureza foi sábia de não dar força física às mulheres. Imagina estas loucas assassinas de bebês em capo de batalha!
avatar
PadreTorque em 24 de dezembro de 2014 às 20:14:13»
Isso devia acontecer mais vezes...
smile
zé rosquinha em 22 de dezembro de 2014 às 06:29:45»
Nossa.
avatar
welissonbh em 22 de dezembro de 2014 às 00:34:35»
kkkkkkkk, toma feministas sha .

Esse cara é um herói.

Estou sentindo um despertar conservador nestes países, primeiro o feminismo perdeu forças nas eleições da Suécia e a direita está crescendo bastante por lá e agora isso kkkkk quem sabe a Suécia deixará de ser um lixo socialista com seu feminismo ridículo. De fato a Suécia já está colhendo o que plantou com tantos estupros feitos por imigrantes contra as suecas creio que em breve eles expulsarão todo o conceito esquerdista, isso é, se houver mais homens como este caso contrário será um caso perdido.

Uma das poucas notícias boas desse ano! Parabéns!

Que surjam mais Harald Eia por lá!

razz
Alexandre Fraguglia em 18 de dezembro de 2014 às 08:26:40»
Exelente materia, qualquer pessoa, seja ela menino ou menina ira perceber que, por uma questao natural existem diferencas claras entre homem e mulher, preferencias, gostos, pre disposicao para fazer ou nao fazer certas coisas independente de capacidade...pois eh NATUREZA humana e depois um fator cultural. Infelizmente, existem sociopatas que querem moldar a sociedade de acordo com suas ideologias nefastas, nao se preocupam ou tem pudor em manipular pessoas psicologiamente e ate mesmo fisicamente.
Alan M. Coutinho em 17 de dezembro de 2014 às 21:05:53»
Muito bom o trabalho desse senhor.

Só discordo quanto afirmar que a enfermagem é uma profissão feminina.

A mesma já remonta ao século V d.C., com os monges católicos e os chamados "parabalanis". Com o desenvolvimento da Igreja e das ciências, as mulheres também passaram a realizar estes serviços, mas sempre sob orientação masculina. Na Idade Média, não só a enfermagem, mas a medicina e os hospitais estão diretamente relacionadas à própria Ordem dos Hospitalários de São João.

Até a década de 40, nos E.U.A., a enfermagem e as escolas de enfermagem do país eram todas masculinas. Só com o início da 2° guerra mundial esse quadro se inverteu. Os homens queriam servir apenas como voluntários do corpo médico militar, mas como havia uma grande demanda por infantes, por força de lei o Estado americano proibiu que os homens ingressassem nas escolas de enfermagem, o que deixou a área para o sexo feminino.
The Sonic em 16 de dezembro de 2014 às 14:47:05»
Edgar Rocha, não houve nenhum embate, apenas a refutação de uma farsa.
Ciência tem disso.
A menos que você trate determinada ideologia como quem torce para um time de futebol, aí você vai se frustrar, mesmo.
Recomendo você refletir o porque dessa frustração que você está sentindo agora.
ps: não há nenhuma finesse em tratar todos aqueles que discordam da sua opinião como "fura olho". Talvez você precise de ajuda emocional.
Bruno Linhares em 16 de dezembro de 2014 às 14:26:54»
A parte 6 está pedindo senha. É preciso cadastrar-se no vimeo, ou é alguma outra senha?
Rex em 13 de dezembro de 2014 às 01:25:34»
Essa foi uma das melhores coisas que eu vi esse ano. É muito bom ver a mascará de pessoas como esses "pesquisadores de gênero" (sim copiei e colei com as aspas mesmo, pois achei sua colocação com as aspas perfeita XD) cair ao se confrontar com a realidade, ao invés de ficarem criando sua própria "realidade" e fazendo outras pessoas acreditarem em tais falácias. E o mais engraçado de tudo foi que o paradoxo foi mais uma ironia da vida, pois não existia um paradoxo se visto mais a fundo, só o resultado da liberdade.... (nossa isso ficou meio sem sentido razz ).
Edgar rocha em 12 de dezembro de 2014 às 15:47:03»
Foi o post mais interessante e importante destes últimos tempos. Parabéns!

O curioso é como o embate ideológico das duas linhas de pensamento em questão consegue tirar o foco central do tema proposto. Eu fiquei de espectador, com refrigerante e pipoca, assistindo os cientistas se digladiarem no ringue das vaidades. Ganha quem furar o olho do outro primeiro.

No final, fiquei com um aprendizado importante: como denegrir e ridicularizar todo um grupo de estudiosos perante a opinião pública, a ponto de perderem o apoio institucional para a pesquisa. Este é o verdadeiro paradoxo. Se há falhas nos sistema de pensamento que conduziu uma região inteira do mundo à possibilidade de igualdade entre gêneros e promoveu o direito à escolha, mesmo que a partir de premissas questionáveis, opta-se por destruí-lo a adotar um sistema que, embora aparentemente mais consistente num ponto, ainda carrega igualmente contradições e paradoxos que se mostram bem mais perniciosos às sociedades que o adotam, carecendo da mesma forma, de explicações consistentes. Ou será que é impossível a nós perceber algumas lacunas ou premissas a serem questionadas? Se formos nos estender, não haveria espaço neste post.