Faça o seu comentário

:

:







Comentários

Olecram Ryt em 25 de dezembro de 2018 às 10:53:24»
As mulheres se livraram das amarras do julgo masculino e agora experimentam a liberdade, mas a primeira coisa que fizeram foi pegar as mesmas amarras e querem usar nos homens cagando regras por atacado e com termos - digamos assim...- mannounderstand (quando o homem não entende porra nenhuma e fica de boca aberta) e por fim tiram o time de campo.
Em suma; estão se tornando aquilo que mais odiavam.
Samuel Lima em 22 de dezembro de 2018 às 02:55:11»
Peterson não está conseguindo audiência e crédito atoa, consegue bater pesado no pensamento neo-marxista e com muitos argumentos.
avatar
Nerd guy em 21 de dezembro de 2018 às 10:01:44»
O artigo aborda vários temas, mas tem um que me chamou a atenção. O significado do indivíduo encontra-se não no que se quer senão no que deve ser feito. Dotar seus atos de um sentido moral. Dotar de moral sua existência. Aspirar ao bem e a verdade. Assumir responsabilidades e viver em harmonia.

Acho que todos chegaram ao ponto que não dá mais para voltar neste planeta onde esta visão se torna realmente complexa e fazemos o possível para simplesmente ser felizes. Porque se tivéssemos que nos ater as palavras de Peterson, todos deveriam começar a serem mais morais e deixar esta civilização doente que arrasa o planeta para viver mais em harmonia com os outros e com o próprio planeta. Mas isso é pedir demais nessa época cheias de pessoas doentes e alienadas que acreditam que vão mudar o mundo com uma ideologia que já assassinou milhões de pessoas.

Peterson tem uma pegada de Ayn Rand em alguns aspectos, mas é mais brilhante por não ter travas na língua em um mundo onde palavras machucam. O problema reside na interpretação não intencional errada de suas ideias como aconteceu com Nietzche e a própria Ayn Rand. Em geral parece razoável o que ele diz, mas sua maneira de expressar me parece prepotente e bem marcada com a intenção de chamar a atenção para si. Mas parece que isso é parte do marketing dos pensadores atuais. Quanto à academia concordo plenamente, está coalhada de ratos que parecem odiá-lo porque argumenta com base na autoridade biológica, algo que os progressistas não lidam bem.

Este coletivo de idiotas se fixa a um axioma, que em geral é válido, e depois o aplica indiscriminadamente até invalidá-lo. O problema é que a biologia é dura e não há como contradizê-la. Mas com a obsessão com o poder e suas ânsias de poder e domínio, negam a biologia porque a biologia desmente sua ideia de que as pessoas são de massinha. E eles as querem assim para poder moldá-las. O problema é que a simples existência da natureza impossibilita a engenharia social.
João em 21 de dezembro de 2018 às 01:10:26»
Que tradução de arremedo e tendenciosa essa de "agreeable" como "agradável" (imagino que a autora deve ter visto ou lido ele falar em "agreeable" wink . Mulheres são "agradáveis" e homens "desagradáveis, nota-se que foi uma mulher que escreveu o artigo... "Agreeable" seria no sentido de "consentimento", "concordância" ou seja, as mulheres em geral consentem mais, concordam mais..., e os homens consentem menos, discordam mais. O penúltimo parágrafo também denuncia que quem escreveu só pode ter sido uma mulher, quando diz que o poder deve ser mais distribuído com as mulheres, que tem estudo que diz que mulher em cargos de poder são mais honestas... (kkk), faz-me rir, né. Enfim, o artigo no geral, apesar dos senões acima, foi bem escrito, se propôs a ser isento, mas no final denunciou a ideologia de quem escreveu, e o gênero também... Abraços!
June Atheo em 20 de dezembro de 2018 às 22:26:39»
Bom notar que nos últimos anos o feminismo extremo insistiu na catalogação de como deveria ser um homem, e como deveria ocupar padrões de perfil para satisfazer não só à mulher senão a uma sociedade cada vez mais estúpida, e isso, creio eu, é a raiz da insegurança, que criou este monte de manginas, betas e capachos, todos psicologicamente castrados que pagam pau para qualquer lambisgoia de cabelo roxo que arruma uma forma de meter 'sororidade', 'patriarcado', 'empoderamento' em cada frase da maçaroca amorfa que vomita.
Rafinha em 20 de dezembro de 2018 às 18:10:20»
Jordan Peterson é o o último defensor da sensatez em tempos de rancor e demência. Leiam 12 Regras Para a Vida. é o melhor livro que já li na minha vida.
Ricardo Lima em 20 de dezembro de 2018 às 17:31:43»
Obrigado por me apresentá-lo.
avatar
headbanger em 20 de dezembro de 2018 às 15:41:12»
O fato é que não adianta usar lógica contra fanáticos.