Faça o seu comentário

:

:







Comentários devem ser aprovados antes de serem publicados. Obrigado!

Comentários

Rafinha em 12 de agosto de 2017 às 14:20:34»
Drielle, isso é mais uma mensagem e uma lembrança que a gente faz a ele do que um desrespeito.
avatar
Drielle em 11 de agosto de 2017 às 08:57:31»
Poxa gente, vamos pegar um pouco mais leve ai. O 100Nossão podia ser meio rude, mas nunca o foi sem razão. Será que vocês não respeitam nem gente morta?
avatar
Markus em 10 de agosto de 2017 às 21:45:02»
Marcelle, você leu o mesmo memorando que eu? Damore em momento algum disse que os homens são superiores as mulheres. Só disse que são DIFERENTES uns dos outros e que têm TENDÊNCIAS diferentes à hora de escolher um emprego, o que explica o porquê há mas homens que mulheres na área de tecnologia, mas também explica porque há mais mulheres que homens em outros âmbitos, como a cosmetica, moda, relações publicas, enfermagem, jornalismo, marketing, agentes comerciais. Desenhei?

E já que mulheres e homens são geneticamente diferentes e têm tendências e gostos geneticamente pré-determinados (até certo ponto), é normal que em certas profissões, em geral, tenha mas proporção de um gênero ou de outro. Então forçar uma distribuição de 50%/50% através de assistências reservadas a um gênero em concreto é, não só um absurdo, senão discriminatório; ou você é outra que acredita na "discriminação positiva". Se sim, está explicado quem é a verdadeira babaca.

Outra coisa, ele tem doutorado em sistemas biológicos e talvez você queira ensinar a uma neurocientista porque os vários estudos atuais (https://www.theglobeandmail...), que chegaram a mesma conclusão de Damore sejam, na sua opinião, ciência lixo, quando são ciência dura. Boa sorte!
Marcelle em 10 de agosto de 2017 às 18:46:55»
Homens gostam de mostrar superioridade? Toma babaca, ganhou o caminho da rua pra deixar de ser idiota. Por muito que a circular do ex-empregado (adoro!) do Google anti diversidade ressuscite séculos da velha ciência lixo, é importante enfatizar que inclusive hoje em dia as mulheres, pessoas não binárias e pessoas negras em áreas STEM seguem regularmente enfrentando atitudes fanáticas disfarçadas de estudos de biologia. Também, muito com frequência, estas pessoas temem ser postas na lista negra de sua empresa se falam na contra a discriminação no lugar de trabalho.

Curiosamente, os mesmos homens brancos que dominam a indústria tecnológica em números parecem ter convencidos a si mesmos de que eles são os únicos cujo status no âmbito trabalhista está sendo ameaçado. E ironicamente -como neste manifesto e suas sucessivas consequências posteriores demonstram- talvez eles mesmo sejam seus próprios inimigos.
Calixto em 10 de agosto de 2017 às 15:23:13»
Pessoalmente, me sentiria ofendido se me contratassem apenas por ser um homem negro. O mesmo pensaria se fosse branco.
Kadu-Ce em 10 de agosto de 2017 às 15:12:37»
Nunca haverá igualdade enquanto existam pessoas obcecadas no gênero, raças ou classes sociais e não destaquem as habilidades individuais. Esta é a primeira coisa faria uma IA se tivesse que gerenciar recursos humanos. Nem tolices de paridade, diversidade ou multiculturalidade ou qualquer merda nesse sentido.

As empregos são para trabalhar e ganhar dinheiro, se sua produtividade é melhor você tem o direito de ganhar mais dinheiro, se não, não. Simples assim! Por verdade, os departamentos de marketing da maioria das empresas estão coalhadas de mulheres. Ouco algum homem reclamando?

Os sexos não são opostos, são complementares! Mas vá dizer isso a estas tontas que se empoderam com pelos no corpo, ameba no cérebro e enfiando cruzes no rabo.
Joca em 10 de agosto de 2017 às 14:51:04»
Há um argumento muito simples para limpar quaisquer discussões estúpidas como essa: se o salário é injusto e diferenciado entre homens e mulheres, então os empresários (conhecidos como exploradores entre os doentes esquerdistas e feminazis são em sua maioria esquerdistas) estão perdendo tempo e administrando errado suas empresas. Não seria mais fácil ter muito mais mulheres trabalhando para gastar menos em salários? smile
Rafinha em 10 de agosto de 2017 às 14:13:32»
Valeu Jesus! É nóis! mrgreen mrgreen mrgreen
Wander em 10 de agosto de 2017 às 13:41:31»
Com risco de parecer um mangina, acho que há partes que sim tem razão e outras não. Explico, creio firmemente na igualdade de gênero (não na biológica, isto é coisa de gente retardada, como a maioria das feminazis), mas não creio que isto se combata beneficiando um dos dois quando se acha que o outro está melhor, me parece um erro muito grave que só equilibra a balança para o outro lado pouco a pouco até que alguém se dê conta e tenha que equilibrar para o outro outra vez.

Os dados são muito fáceis de tergiversar, quando se trata de desigualdade salarial é muito difícil opinar sobre ela porque, inclusive dentro da mesma empresa, é totalmente justificável que uma pessoa, independentemente de seu sexo, faça pior seu trabalho que outra e receba menos por isso. Portanto me parece fenomenal que uma determinada mulher que o faça melhor que outra determinada mulher no mesmo cargo, na mesma empresa, ganhe mais. Ou que uma determinada mulher receba mais que outro determinado homem no mesmo posto se esta tem mais predicados para a empresa ou faz melhor seu trabalho, assim que se certo homem fizer melhor que certa mulher no mesmo posto na mesma empresa é totalmente normal que tenha um salário maior. Isto sim é igualdade.

Agora bem como diabos, algumas pessoas de uma agência de estatística externa, que nada têm a ver com essa empresa e que se dedicam a medir estes dados, sabem quem o faz melhor na empresa? É impossível que uma agência externa seja capaz de avaliar isso apenas com os dados sem o contexto necessário para simplificar a um determinado número, o que não reflete em absoluto nada.

Por outra parte, eu conheço um rapaz que sofreu abusos da sua mulher (tapa na orelha, cintada no lombo e toda uma baixaria), e ao ligar para o 190, deixaram pendurado no telefone até a ligação cair, as 3 vezes, e pior quando tentou dar queixa na delegacia e passou por uma sessão de deboche dos policiais, se já não bastasse ser motivo de escárnio dos amigos no bairro onde morava.

O que acontece é que homens são maioria tanto como autores quanto como vítimas da violência, mas no segundo caso poucos fazem queixa na polícia (cerca de 10% das vítimas), sobretudo por causa de tabus e de toda uma cultura patriarcal sobre as expectativas sobre o comportamento masculino.

Como vamos alcançar a igualdade algum dia, criando instituições, estatísticas e campanhas a favor de um só lado da balança ou com uma sociedade demonizando a quem se atreva a valorizar objetivamente se você está fazendo bem ao tema da igualdade só porque não está dizendo algo a favor de determinado gênero do qual a balança está pendendo no momento? É complicado!
avatar
Jesus em 10 de agosto de 2017 às 12:14:04»
Eu preenchi umas 20 solicitações de emprego no mês passado, aqui nos EUA e me pareceu um disparate total que estejam todos solicitando sua etnia ou sexo ou se pertence a alguma minoria. Isso só cria mais discriminação e se não acreditam vão até a pagina da MongoDB, na seção Carreiras (https://www.mongodb.com/car...) e preencham uma solicitação e comprovem por vocês mesmos. Estou pensando em despedir São Pedro para trampar na Porta do Céu e brigar um pouco com o 100Nossão. Melhor não... aquele deve estar fazendo um inferno a vida do diabo. mrgreen mrgreen mrgreen
Rafinha em 10 de agosto de 2017 às 10:54:09»
Eu não tenho a fluência que o 100Nossão tinha, mas ele diria algo mais ou menos assim:

Os garotos gostam de dar porradas (testosterona) e as meninas cuidar de bonecas simulando que estão vivas (estrogênio). Há algumas poucas exceções, mas a regra é esta.

Podem dizer o que quiserem para ser politicamente corretos, mas os homens e as mulheres têm preferências muito diferentes e não são devidas à educação senão que já vem de fábrica com estas características.

Pelo que todos sabemos com apenas uma olhadela, homens e mulheres são diferentes e comportam-se diferentemente, assim que claramente explica o porquê há divergências na ocupação trabalhista de uns e outros.

Todavia não conheço nenhum movimento de ajuda ao gênero masculino para ser mais representativo em setores dominados tradicionalmente pelas mulheres. Alguém conhece? Vamos lá masculinistas, essa é a nossa hora! Go work! mrgreen mrgreen mrgreen

E às mulheres em geral nunca se importaram porra nehuma com o setor tecnológico até que virou modinha e passou a ser uma profissão rentável, que acumula benefícios, poder e status. Por exemplo, não vejo a nenhum movimento feminista exigindo que as mulheres sejam empoderadas (tenho nojo desta palavra) em ocupações mais pesadas como coleta de lixo, mecânica de automóvies, limpador de fossa, mulas humanas de garimpos, metalurgia, ou zeladora de cinema pornô... isso não, o que é um asco. ma ma ma
avatar
SEOJoao em 10 de agosto de 2017 às 10:12:17»
A ditadura do politicamente correto: “Opina o que queira sempre que opine como nós!”
Sylvinha em 10 de agosto de 2017 às 08:25:47»
Pois ao final ele tinha razão em que não há liberdade para falar destas coisas sejam ou não equivocadas.
avatar
Nerd guy em 10 de agosto de 2017 às 06:51:09»
Anita, não é a mulher que é desenhada biologicamente para tarefas diferentes; são os distintos seres humanos que são desenhados para tarefas distintas. O que seria do mundo se todo mundo quisesse ser florista. Imagine se a pessoa que domina a linguística reclamasse trabalho em uma área que depende da lógica. O que seria se alguém com vantagens motoras, como os atletas, postulasse cargos em postos que exigem criatividade ou conhecimento de linguística. Idealize a situação de um músico reinvidicando o cargo de gerente administrativo ou querendo disputar os 100 metros com Usain Bolt.

Em momento nenhum ele diz que homens são superiores as mulheres, senão que tem visões diferentes em função da sua própria biologia. Que pessoas erradas no cargo certo resulta em uma condição errada e que pessoas certas no cargo errado, também. Tanto faz se homem ou mulher. O problema é que as feminazis querem porque sim e acabou e não se fala mais disso. Isso vai acabar muito mal.
Anita em 09 de agosto de 2017 às 23:58:00»
Tudo bem debater sobre as políticas do Google e as ajudas que dão a essas minorias e tal... Mas daí a afirmar que as mulheres são desenhadas biologicamente para tarefas diferentes há uma grande diferença.
Rafinha em 09 de agosto de 2017 às 22:47:12»
São nessas horas que sinto falta do 100Nossão. Numa hora dessas ele chegaria dando voadora no pescoço do Sundar Pichai. mrgreen
avatar
Junico em 09 de agosto de 2017 às 20:32:23»
Outro triunfo para as feminazis, a sociedade não se dá conta, ou dá as costas fingindo que não, de que estão criando um problema muito maior do que o que pretendem solucionar.
avatar
Roger Laz em 09 de agosto de 2017 às 17:32:04»
Está mais do que muito provado pela biologia evolutiva que homens e mulheres somos biologicamente diferentes e isso pode ser visto com apenas uma olhada. É o que digo, chegamos ao potnto do absurdo em que dizer o óbvio é conceituado como ofensivo e punível.
Edna Velho em 09 de agosto de 2017 às 16:57:34»
Exatamente o que ele disse que ia acontecer. Google terminou dando-lhe a razão: há temas que já nem sequer podem ser colocados sobre a mesa para serem debatidos civilizadamente. Os paladinos da tolerância (de suas causas) voltando a demonstrar a sua grande intolerância (pela dos outros).
Teófilo em 09 de agosto de 2017 às 16:20:04»
Quando foi que morreu a liberdade de expressão?
Luiz Ikeda em 09 de agosto de 2017 às 12:50:04»
Tudo política. O google sabe que o documento só fala verdades, mas há verdades que nunca devem ser ditas.
No final, o google é uma empresa buscando lucro. O que é mais prejudicial, perder um engenheiro ou ter a reputação manchada e ser visto como uma empresa machista em um momento em que o feminismo está em alta?
Quem não concorda com a atitude do google está pensando com a emoção e deixando a razão de lado. Um paradoxo, né?
André Luiz em 08 de agosto de 2017 às 20:31:22»
Isso é censura, travestido de politicamente correto.
Andre em 08 de agosto de 2017 às 17:31:18»
Concordo com o amigo Fernando. Ao mesmo tempo que rechaçam atitudes como deste ex-google aplaudem coisas como vi hoje, onde uma cafeteria na Austrália cobra mais dos homens apenas por serem homens... Posso estar enganado, mas isso também não é sexismo?
Fernando (Dragon44) em 08 de agosto de 2017 às 16:04:05»
O mundo está caminhando para uma inversão perigosa, o que antes era um claro favorecimento de homens e hetéros na indústria e sociedade agora está buscando o contrário e não o equilíbrio. Tenho essa visão pois a partir do momento que você reserva "cotas" nas empresas, escolas, e na sociedade, você acaba por excluir um determinado grupo e não a pregar igualdade. Somos todos iguais e com as mesmas capacidades, basta a gente estudar ou se esforçar que independente do posto ou faculdade que almejemos estaremos aptos a conseguir. Oq a sociedade tem que fazer é "ensinar", "pregar" essa igualdade e não reservar espaços para mulheres, homossexuais ou pessoas de cor, pois isso é pior. Reservar salas de cinema para mulheres, espaços nas empresas para homossexuais ou pessoas de cor, na indústria do cinema a mesma coisa, nas faculdades. Cara isso está errado! A mente das pessoas tem q mudar e não é fazendo isso que vai resolver.